quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

CEMB ...na cabeça!!!!, da medicina

Olá pessoas, para aqueles que tomaram conhecimento de minha pesquisa sabem que realizei no Colégio Murilo Braga (CEMB) em Itabaiana/SE. Muitas vezes esta cidade é destaque nacional pelas questões culturais, seu folclore, seu povo, da famosa feira e seus atores sociais, da violência...,mas, hoje ela foi destaque pela aprovação de um Guri (Vitor) de 14 anos no curso de Medicina da UFS.
Talvez, passasse despercebido pois, isto, vez em quando, ocorre no Brasil...., mas, foi em Itabaiana, no Murilo Braga, onde fiquei quase dois anos (imerso) e sentindo a realidade nua e crua; as dificuldades de abnegados professores que ainda acreditam na escola pública; de perceber que existe um potencial rico, inteligente e criativo no interior do Estado de Sergipe; e que me fez apostar num grupo de alunos - denominados Matrix - que foram cruciais para as relações de mídia e educação física durante minha vivência neste ambiente - por isso fiquei feliz também pela conquista desse aluno que é celebridade hoje, mas, que demonstrou humildade durante esses dias de fama.
Desculpe-me a intromissão no Blog, mas, fiz questão de deixar registrado pela minha relação com a cidade, com seu povo e, principalmente,  por trazer às vistas o CEMB pelo qual tenho um grande carinho e apreço.

Anderson Silva - o retorno: a perfeita junção entre esporte, mídia e publicidade

Aos que acompanham o blog, algumas vezes já tivemos, por aqui, postagens sobre o UFC (principalmente quando tal modalidade foi conquistando o gosto do brasileiro, a partir de 2011, e começou a ser transmitido também em televisão aberta, na Globo - com todas as críticas possíveis, recorrentemente aos atrasos nas transmissões "ao vivo") e sobre Anderson Silva e sua imagem.

Àqueles mais antenados - ou nem tanto - nos últimos dias, ao acompanhar a programação da Rede Globo, anúncios do retorno de Anderson Silva começaram a aparecer. Primeiro, pela emissora, que elaborou um verdadeiro "trailer" do episódio que envolveu a última luta do atleta brasileiro que resultou na perna quebrada e a interrupção de suas ações no octógono por quase 1 ano. Diga-se, aqui,  do excelente material elaborado, realmente chama atenção para o evento.
A propaganda, que é um agendamento da própria emissora, pode ser conferida aqui:
http://globotv.globo.com/rede-globo/ufc-combate/v/anderson-silva-volta-ao-octogono-contra-nick-diaz/3921768/

Em seguida, pela marca de cerveja Budweiser que, aproveitando-se muito bem do momento, às vezes até confunde se é aquele anúncio da Globo informando da luta que ocorrerá dia 31 de janeiro ou se é alguma publicidade em particular. Realmente, segundo o próprio slogan da referida marca de cerveja, "os grandes momentos estão voltando".
O comercial pode ser visto no seguinte link do youtube:
https://www.youtube.com/watch?v=h29kjYWbIbw&x-yt-ts=1422411861&x-yt-cl=84924572

Um ótimo e simples exemplo para visualizarmos em como um atleta - ícone e ídolo nacional e internacional - e o esporte, vinculado a uma estrutura da indústria cultural (isso é veiculado na televisão aberta, está acessível na web, em vários canais, pelo anúncio da propaganda no twiter) e  às intencionalidades mercadológicas da publicidade fazem seu "jogo".

Em tempo: não desconsideremos, pois, o apelo estético e emocional das duas chamadas publicitárias.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

O que a Globo já fazia com outros esportes chegou ao futebol: "rebatizaram" o Red Bull hoje !

Há muito tempo, os canais esportivos abertos e por assinatura do Sistema Globo tem por norma empresarial (burra, diga-se de passagem) não citar o nome original dos times empresariais, substituindo-os por sigla ou cidade de origem, como é o caso da Liga Nacional de Volibol.
Como a maior parte dessas modalidades tinha e muitas ainda tem pouca visibilidade na TV, de certo modo essa questão era relativizada, porque mais importante era/é a oportunidade de divulgar a própria modalidade. Mas o problema agora se aproxima do futebol profissional e mais, da primeira divisão do futebol paulista, com a classificação do Red Bull. Como os direitos de transmissão do campeonato paulista são da Globo, a curiosidade era/é como o problema seria tratado.
Hoje, tivemos uma prévia, embora, por enquanto, apenas na televisão por assinatura (http://uolesportevetv.blogosfera.uol.com.br/2015/01/25/red-bull-brasil-vira-sigla-no-sportv-e-torcedores-cornetam-globo/); permanece, porém, a dúvida: como será quando o Red Bull estiver disputando o Paulista e seus jogos forem transmitidos em sinal aberto pela Globo (por exemplo, contra o Corintians, que tem todos os seus jogos transmitidos)?
Acho que essa é uma questão importante, porque sobrepõe interesses comerciais de clubes e da televisão: quem detém os direitos de transmissão pode "rebatizar" os clubes ou estádios porque as empresas que dão nome a estes não "pagam" a Globo? Como é possível pensar em profissionalizar o futebol com essa mentalidade?
Depois, os clubes, endividados, pedem socorro ao governo para parcelar dívidas, perdoar impostos, etc.

sábado, 24 de janeiro de 2015

Por que a tecnologia não mudou a educação: porque o sistema é o mesmo

Colegas do blog,
Trago aqui para o blog uma pequena matéria publicada hoje no UOL, a qual contém um vídeo-documentário sobre essa discussão das tecnologias na escola/na aprendizagem. Nada de muito novo para quem acompanha essas questões, na verdade, talvez, apenas mais denúncia do mau uso da tecnologia quando o foco é a educação... é só ler, ver o vídeo e tirar suas conclusões!
Tecnologia não pode servir apenas como um "novo didatismo", como sabemos...

http://educacao.uol.com.br/noticias/2015/01/23/por-que-a-tecnologia-nao-mudou-a-educacao-porque-o-sistema-e-o-mesmo.htm