domingo, 28 de setembro de 2014

O voo dos Vaga-lumes! - V Enome (Caiobá-Matinhos-Paraná).

Boa Laboamigos e seguidores,

  Volto aqui para tentar, novamente (assim como fiz há 2 anos, lembre-se clicando aqui), em algumas palavras, falar um pouco desses últimos 4 dias que passamos juntos na pacata praia de Caiobá, em Matinhos, no Paraná. O momento foi de falar de coisa séria, que nos preocupa para os próximos anos, mas foi, sobretudo, de celebrar os (re)encontros. O V Enome foi um sucesso e vale, já neste primeiro parágrafo, deixar aqui os Para-béns (apud Dorenski) para o JacaMor, Messa, e toda a sua equipe. Em poucos, os caras se mostraram muitos, batendo o escanteio, indo na área cabecear e ainda pegar o rebote pra fazer o gol. Muito obrigado pela acolhida! O Jaca-jurou-e-organizou!


  Diferente do relato sobre o IV Enome, em São João Del Rei há dois anos, que fui buscar nas minhas anotações pessoais elementos das discussões e debates científicos para fazer uma sinopse do que foi o Encontro, dessa vez vou tentar fazer de outro jeito, até porque não consegui fazer tantas anotações assim pelo modo como esses dias com o grupo foi sendo tomado pela emoção, se sobrepondo à razão. Decidi, então, que vou me concentrar em contar um pouco do grupo e das pessoas que ele compõe, mais do que as discussões e debates acadêmico-científicos que tivemos nesses dias que passamos juntos e misturados.
  Começo lembrando da cansativa viagem até Caiob´s beach. Desde os que vieram de Floripa com problemas no busão, pegando congestionamento em vários momentos do trajeto, mas que chegaram com sorriso no rosto, prontos para uma reunião de trabalho, após 7h de deslocamento até lá. Como também os que vieram de Aracaju, com várias horas de voo e de espera em conexões nos aeroportos, para depois ainda mais algumas horas de estrada no bus até o destino final, assim como a carioca-capixaba que também aguentou essa odisséia até o encontro. Em suma, o início do V Enome já nos prova, mais uma vez, a disposição, a garra e a vontade que esse grupo tem de estar junto em prol do compromisso e responsabilidade social com a ciência e, principalmente, com a philia entre os pares (apud Dorenski).


  Depois dessa longa viagem que, para alguns, começou já na terça-feira, na quarta às 16h, na UFPR-litoral, começamos as atividades do ENOME com a reunião do grupo. Diferente do que tradicionalmente fazemos, que a reunião acontece no final para avaliarmos o que fizemos e decidirmos os próximos passos, desta vez precisávamos dela antes de tudo por um motivo que muito nos preocupa e nos deixa temerosos, mas que é uma realidade. A eminente aposentadoria do camarada, guru e mentor disso tudo, Giovani, precisa ser pensada e amadurecida por todos que fazem parte dessa história, porque além dos planos pessoais dele, que por sinal já parecem bem encaminhadas, com um projeto de pesca e de churrasco em uma praia do norte da Ilha, precisamos estar prontos para caminharmos com as nossas próprias pernas, com autonomia, assim como sempre discursamos nos nossos projetos de formação. 
  Neste momento, começou a aparecer tudo aquilo que, para mim, pessoalmente, foi diferente de todos os outros ENOME´s. A maturidade, seriedade e clareza de objetivos pessoais e coletivos que foram aparecendo durante a reunião, deixa a convicção e a certeza de que a falta cotidiana da nossa referência que há 11 anos vem nos guiando, será sentida sim, mas não será um problema, porque agora, o V Enome veio confirmar isso, o camarada Gigio fez o papel de casa muito bem e pode ficar "tronxo de orgulho", como ele mesmo costuma dizer, pois as suas crias estão prontas para dar continuidade ao seu trabalho. A logística de como isso vai acontecer começa a ser pensada desde então e parece que uma idéia ganha força, o tal do "bareado", até porque passamos a reconhecer, além de uma grande referência (PIRES), diversas referências importantes, o Pires et al.
  Ver os doutores mais frescos e os doutorandos mais velhos apresentando as suas teses e projetos foi uma das marcas representativas dessa maturidade apresentada pelo grupo. As diferentes temáticas representadas pelas múltiplas linguagens trabalhadas pelo Rogério, a educação do campo pela Ira, a ousadia dos games explorados pelo Gilson, e as práticas comunicativas delicadamente desenvolvidas pela Lya, foram só uma palhinha da consolidada e consistente produção eclética do LaboMídia no cenário da Educação e da Educação Física. Um orgulho de se ver e de se reconhecer ali naqueles trabalhos apresentados!


  Depois do primeiro dia de trabalhos, os passeios até Antonina e Morretes, com todo o esforço do JacaMor em nos guiar, foi o momento de reforçar os laços nas atividades gastronômicas e culturais. Entre os saculeijos do busão nas ruas de pedra e as pernadas pelas vias históricas das pequenas e belas cidades do Paraná, as afinidades foram sendo retomadas e as diferenças respeitadas mutuamente. A maturidade do grupo reaparece então quando conseguimos conviver bem em conjunto sem, necessariamente, concordar em tudo. O segundo dia, assim, termina com a festa comandada pelo DJaca soltando o som com hits clássicos do seu acervo de vinil e botando o pessoal pra extravasar dançando, com coreografia e tudo, quando até o Sergião, visto pela sua dureza pré-histórica e pelo seu "radicalismo" marxista, arriscou se remexer todo. Lindo de se ver!


  Por fim, sem me alongar mais, a evidente endogenia do Gtt de Comunicação e Mídia provou, mais uma vez, que isso não é impeditivo para travarmos debates de muita qualidade. Ao ver, doutores, doutorandos, mestres, mestrandos e graduandos (como o camarada Josimar), apresentando os trabalhos com o mesmo refinamento, qualidade e segurança, fica a certeza de que esse modelo de formação coletiva, junta e misturada do LaboMídia, é sim um bom caminho para a formação acadêmica, cultural e humana que preza pela autonomia e pelo esclarecimento. Estão todos de PARA-BÉNS!

  Não sei se todos tiveram a mesma sensação, mas, para mim, parece que os vaga-lumes passaram a vagar pelo Brasil, sem perder o brilho e a capacidade de iluminar. Mesmo estando um pouco mais distantes fisicamente, ficou aparente que há, sim, uma unidade ideológica, afetiva e sensível que nos une por laços invisíveis, que nem as tecnologias, com toda a sua capacidade de conexão, são capazes. Uma unidade que nos permite sermos tão diferentes e ao mesmo tempo tão parecidos. Vaga-lumes que já se mostram capazes de continuar iluminando individualmente sem se distanciar ou ignorar o coletivo. Se o coletivo de autores clássico da Educação Física se mostrou frágil poucos anos depois da sua junção, o coletivo do LaboMídia se mostra forte e firme há cada ano que passa. Agora, após 11 anos, o que fica desse V Encontro Nacional, é o otimismo de que há muito trabalho a ser feito e que os próximos passos começaram a ser dados para a continuidade e vida longa do Observatório da Mídia Esportiva. Modéstia a parte, o melhor grupo de pesquisa do mundo!

  Deixo aqui, alguns links de músicas que representam um pouco desses 4 dias que passamos todos juntos, sentindo a falta dos que não puderam estar (Cássia, Márcio, A40, Diego, Scheila, Fê Fauth, Ferrari e tantos outros), mas que estiveram nos corações de todos que lá se encontraram (Galdino, Bia, Jéssica, Luciana Garcia, Cristiano, Lyana, Angélica, Iracema, Fernando, Giovani, Fábio Messa, Ana Elisa, Luciana Fiamoncini, Leandro, Josimar, Paula Bianchi, Gilson, Antônio, Silvan, Rogério, Sérgio, Mariana, Ângelo, Fabio Zoboli).

  Que continuemos "caçando milhões de vaga-lumes por ai"... que continuemos "encontrando com quem no mínimo nos queira bem"... que continuemos com a capacidade do olhar crítico sobre os "esquadros onde vemos tudo enquadrado pelo remoto controle"... que continuemos "sem nos adaptar mesmo sem caber nas roupas que nós cabíamos".


Grande abraço,

Tentei, não sei se consegui.

Silvan

8 comentários:

Giovani Pires disse...

Grande Silvan,

Que belíssimo texto este com o qual tu nos presenteia!
Informação e rememoração para celebrarmos juntos. Obrigado por compartilhar conosco todas essas emoções!

Ira disse...

Obrigada pelas lindas palavras Silvan! Um belo e sensível relato de um encontro mais que especial na história do grupo!

Sergio Dorenski disse...

Porra (desculpe-me) guri você é foda. Disse na mesa que estava muito feliz em compartilhar com você aquele momento. Vê um Guri que saiu da graduação e hoje está falando bem, com voz grossa e com sabedoria invejável. Além disso, com uma sutileza para perceber as entrelinhas, as mensagens subliminares, as emoções de modo inigualável.
Foram momentos belíssimos esses dias e poder compartilhar com todos os Laboamigos juntos. Poder rever Fernando a quem eu sempre me inspirei e o Galdino que nos ama mais do que pensamos e sabemos..., fiquei feliz em estar ao lado de todos vocês o que me faz deixar minha família e meu lindo filho e sair rumo ao encontro com a minha outra família...., só mesmo uma philia – extremamente cúmplice - para isto.
Este é o resultado de uma gestação que começou com o Gio nosso eterno Guru Bareado e que pretendemos manter vivo, pois, tenho clareza que só isso vale à pena neste meio hostil/acadêmico...; somente a relação de amizade, sinceridade e compromisso entre nós, garantem a chama Labomidiática acesa...
Continuemos juntos, cúmplices e compromissados em nossas aventuras..., midiática.
Forte abraço..., um beijão a todos, na certeza de um “I´m back” ..., para os proficientes.

Angelica Caetano Silva disse...

Nossa, que lindo o relato. Assim como Bondia fala da experiência, que é algo que nos toca, que nos transforma, que necessita olhar, sentir, escutar mais devagar, esse ENOME foi único, único na alegria, na realização de tudo, único porque nos uniu mais, único porque foi diferente de todos. Nosso MUITO OBRIGADA, Gio, por tudo que fez por nós, pelos investimentos que fez em cada um de nós, por fazer história no coração de cada um de nós. Um beijão!

Cristiano Mezzaroba disse...

Grande Bam,
endosso os comentários anteriores... fostes muito feliz nas palavras e no relato!
Parabéns por isso e por presentear a nós e a quem não estava lá pelo excelente texto - e pelas imagens!
abração,
CRIStiano

Diego Mendes disse...

Caros amigos, foi com muito pesar que eu e minha família não pudemos prestigiar essa edição do Enome. Apesar da ausência, sigo conectado à philia labomidiana e às responsabilidades que se apresentam a esse grande e forte coletivo (bem destacado pelo Silvam). Fiquei muito feliz em ver nas fotos os sorrisos luminosos desse coletivo de vaga-lumes.
Parabéns ao grupo!

eliton disse...

Eu que tem um tempo que não vou nos eventos sinto muito, mas sei que meu coração pulsa com o labomidianicos.Abraços a todossssssssssss

Ângelo Luiz Brüggemann disse...

Bom, mais uma vez o Camarada Silvan nos brinda com um belo Relato do Enome. Desta vez o Encontro do Grupo foi para discutir coisas sérias e para reforçar a amizade de todos nós, é um prazer fazer parte de grupo.
Abraço a Todos e que venham os próximos...