terça-feira, 1 de julho de 2014

“Diálogos Sobre Esporte e Mídia”


Olá pessoas, segue mais um texto produzido pelos alunos da disciplina Educação Física, Esporte e Mídia. Fiquem a vontade para críticas, sugestões e diálogos...


“Diálogos Sobre Esporte e Mídia”
Ana Luíza S. Nascimento
Valéria S. Chaves

No exercício de historização do esporte percebemos que ele surge com a Revolução Industrial – nasce com as características da modernidade - e os praticantes eram os filhos de burgueses, a partir daí, já podemos perceber que há uma elitização de sua prática e que desde este período até os dias de hoje a ideia de sociabilização, através dele, é uma falácia: esporte para todos? Com o passar do tempo surge os amadores e profissionais do esporte o que vai levar a competição e a criação de mais regras para atender outros fins como o da mercadorização e da espetacularização do esporte. Nesta perspectiva é que questionamos a importância do esporte: esporte é saúde ou economia, ou seja, fonte de renda..., é mercadoria?
O esporte moderno é tido como práticas corporais importantes para a saúde de qualquer indivíduo. Quando ligado à educação, esse é o conceito mais utilizado porque está relacionado à qualidade de vida, mas, quando percebemos a relação dele com a mídia a ideia muda, o conceito de ser importante para a saúde é escondido e o que vai prevalecer é a sua mercadorização, ou seja, tornar o esporte um produto para ser comercializado.
         Um exemplo da mercadorização pode ser visto nos atletas, principalmente do futebol (no caso do Brasil) que viram “mercadorias” no mercado esportivo. Além do valor adquirido pela compra e venda de jogadores, outra fonte rentável é quando se estabelece laços com a mídia, ou seja, a transmissão do esporte, como é visto no futebol, basquetebol, vôlei, entre outros, em que redes de televisão comercial, como a Rede Globo, assumem o monopólio nas transmissões das partidas, apenas com um único objetivo, que é a apropriação para obtenção de lucro.  
Mas a ideia de esporte como saúde não foi completamente escondida, por esse motivo, há uma preocupação na maioria das escolas de se praticar esporte na disciplina Educação Física. Foi visto em documentários que alunos que praticam esportes são mais responsáveis e disciplinados e isso é refletido na convivência familiar. Ainda, esta questão de disciplina, pode se abranger para outras áreas, como dentro de uma empresa, na qual os melhores funcionários são os mais disciplinados. Estas correlações exemplificam a perspectiva da funcionalização do esporte (conforme o alertou o Professor Giovani De Lorenzi Pires no texto “Breve Introdução ao Estudo dos Processos de Apropriação Social do Fenômeno Esporte” (REVISTA DA EDUCAÇÃO FÍSICA/UEM 9(1):25-34, 1998), no entanto, esconde as contradições da própria sociedade como: a falta de empregos; a má distribuição de renda; a miséria; a fome etc.,
Outra relação do esporte com a mídia pode ser percebida em uma reportagem recente, na qual um torcedor atira uma banana para o jogador Daniel Alves. A ideia é que se fosse com qualquer outro indivíduo que não tem interesse para a mídia, nem sairia em uma reportagem sobre preconceito, mas como “mexeu” com o futebol, com um jogador muito conhecido, seria uma ofensa ao próprio jogador ou ao próprio time se essa notícia não fosse transmitida. Ou seja, a notícia também virou uma mercadoria na relação com o esporte.  
           Portanto, trouxemos reflexões que, para nós agora, aparecem mais nítidas e que muitas vezes ficaram despercebidas. Enfim, a importância maior está no fato de se aprender a interpretar a mídia, de ler uma notícia com “outros olhos”.

9 comentários:

André 40 disse...

Como o esporte possui diversas faces, hein?
Parabéns pelo texto Ana Luíza e Valéria. Prefiro observar o esporte neste lócus, do que acreditar que tenham surgido "desde o princípio", com aquelas ideias de que a modalidade "X" teve sua origem no século 2 e hoje está "evoluído" no formato atual. Estas relações mercadológicas são muito mais visíveis do que qualquer outra coisa e é de grande importância que possamos compreender estas circunstâncias (e como os meios de comunicação disseminam tantos discursos) para além do que passa pelos nossos olhos de maneira aparente.

Abração e mais uma vez parabéns!

A40

Gardenia Oliveira disse...

Meus parabéns meninas pelo texto!
A mídia tem esse "poder ideológico" de mascarar uma coisa mostrando exacerbadamente seus "ideais e suas verdades" para assim conseguirem um maior numero de telespectadores. Como também vocês deixaram claro, que com o esporte não é diferente,pois o mesmo é uma das principais paixões da nação brasileira, consequentemente leva-os a passarem horas em frete a TV. Enquanto que, os seus valores disciplinares e de qualidade de vida são mais abordados no ambiente escolar.

Cristiano Mezzaroba disse...

Ana Luiza, Valéria, Prof. Sérgio!
legal mais textos do pessoal que cursa a disciplina!

Acredito que o esporte é um fenômeno multifacetado, como nosso colega Quaranta já apontou em seu comentário.

Penso, pelo que li, que não podemos determinar, do jeito que está no texto, que as práticas esportivas foram elitizadas. Há práticas e práticas esportivas. Poderíamos pensar na questão da homologia, conforme Bourdieu, em que determinados públicos, de acordo com sua classe social e capital cultural incorporado, praticam certas modalidades esportivas - o que faz pensar nos usos do corpo de maneiras diferenciadas para uns e outros, mas não uma mera elitização. O futebol iniciou sendo elitizado... mas hoje, é? qualquer um pode jogar bola em qualquer lugar. Esse esporte que vemos nas nossas telas gigantes de tv em épocas de Copa do Mundo tem códigos diferentes do futebol que podemos jogar nas aulas de EF ou mesmo em nossos tempos de lazer com nossos colegas.

Isso faz pensar, também, nos usos do esporte em discursos que associam sua prática a uma mera qualidade de vida, como se sua prática automaticamente gerasse saúde e qualidade de vida. Acho que isso sempre precisa de mais análises e um olhar mais apurado e crítico.. vcs estão nesse caminho!

parabéns ao Sérgio, pelas discussões.. e a vcs, pela produção do texto!

abração!
Cristiano

Brenda Karoline Santos disse...

Parabéns meninas pelo ótimo texto! Vocês abordaram esporte e mídia de uma maneira muito crítica e esclarecedora. Isso nos instiga a ficar de olhos sempre abertos pra sociedade esportiva e para as notícias que são passadas a todo o momento. Sem deixar de lado, é claro, o simples fato de que o esporte é também um assunto simples e uma prática acessível se não levarmos em consideração toda a mídia e a forma elitizada que muitas vezes é abordado.

Anônimo disse...

Parabéns pelo texto meninas ,fizeram uma abordagem histórica o que enriqueceu notávelmente o texto, me fez refletir e pensar com mais segurança !Lais Regina

Brenda Oliveira disse...

Parabéns meninas pelo texto.
O esporte e suas facetas...
Quando se fala do esporte mercadoria e o esporte espetacularizado eles possuem um valor simbólico distinto do que se observa no esporte enquanto disciplina, pois trata-se de objetos diferentes que não podem ser confundidos e sim tematizados. É necessário um olhar apurado ao tentar tematizá-los enquanto prática geradora ou não de qualidade de vida.

akellyson oliveira disse...

parabéns pelo texto, vocês fazem uma descrição muito boa sobre as varias vertentes que o esporte pode seguir fazendo um bom retrospectos das fazes que ele passou e acabam chegando, na minha opinião na que mais é debatida e trazida a tona atualmente, "o esporte como mercadoria" e colocam muito bem o papel da mídia nesse processo.

kenani melo disse...

Parabéns pelo texto meninas.
Gostei bastante do texto, pelo fato de que ele permite um maior senso crítico em relação ao esporte. Não vai ser em todo momento que vai existir a manipulação e a elitização, mas que quando ocorra, as pessoas possam ter a capacidade de reconhecê-lo e criticá-lo.

Viviane disse...

Meninas, parabéns pelo texto. Realmente é um ponto muito bom a ser discutido e levado para as escolas. Fico impressionada como o esporte e a mídia estabelecem relações econômicas tão fortes, o que acaba deixando um pouco de lado o que realmente é importante: a saúde, e o reflexo da disciplina na vida dos jovens que praticam. Grande beijo, Viviane Barreto