terça-feira, 25 de novembro de 2014

POR QUE LIONEL MESSI?

Olá Pessoas, dando continuidade as atividade da Disciplina Ed. Física, Esporte e Mídia desse período, segue abaixo o texto elaborado por Beatrz do Curso de Educação Física. Estamos ansiosos para os pitacos, críticas, sugestões, enfim, do diálogo permanente entre os LaboMidiáticos...boa leitura!

POR QUE LIONEL MESSI?
Beatriz Miranda

A cada quatro anos a FIFA (FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE FUTEBOL) é responsável por organizar um dos maiores eventos esportivos do mundo: Word of Cup, ou, simplesmente, Copa do Mundo de Futebol. Durante a realização do evento os jogadores são avaliados em diversos aspectos e o resultado desta avaliação determinará a escolha dos melhores atletas que serão assim premiados: o primeiro colocado com o troféu “Bola de Ouro”; o segundo colocado com a “Bola de Prata” e o terceiro com a “Bola de Bronze”.
O presente texto tem por objetivo refletir sobre influência da mídia para a escolha do jogador que obteve melhor desempenho. Percebemos, ao analisar a Copa do Mundo de 2014, realizada no Brasil, que os critérios de avaliação utilizados para escolha do melhor jogador não foram condizentes com a atuação e participação dos mesmos, pois foi notório que diversos fatores externos contribuíram para uma premiação, a meu ver injusta, uma vez que aquele que realmente adquiriu o mérito não foi devidamente levado ao pódio e sim, o argentino Lionel Messi.       
No decorrer do campeonato alguns jogadores se destacaram, sendo esses merecedores da “Bola de Ouro” e indicados pela própria FIFA: Arjen Robben (Holanda); James Rodríguez (Colômbia); Thomas Müller (Alemanha); Neymar Júnior (Brasil), e também alguns não selecionados, como o goleiro alemão Manuel Neuer, os holandeses Wesley Sneijder e Robin van Persie, estes exibiram um futebol que se enquadra nos pré- requisitos para ganhar o prêmio máximo.
Na obra “Sociologia Crítica do Esporte” o professor Valter Bracht expõe sobre o surgimento do esporte moderno e sua transformação. Ele explana que no final do séc. XVIII o esporte vai perdendo sua característica lúdica e de lazer se tronando um espetáculo, característica essa do período industrial (capitalismo) em que a competição levou-o, ao alto rendimento. Já naquela época a mídia determinava o que deveria acontecer no esporte, pelo fato de ter tomado esse caminho (processo de mercadorização) como fim, ou seja, o ócio transformou-se em negócio. Já neste período a mídia e o dinheiro influenciavam no esporte e, na atualidade, não seria diferente até porque o mundo está cada dia mais capitalista.
O filme “Um Domingo Qualquer”, aborda a relação entre mídia e esporte, o que faz sustentar minha opinião acerca da influência dos empresários e da mídia sobre as decisões que acontecem no esporte espetáculo. Em uma das primeiras cenas, a dona do time de futebol americano faz uma ligação para a cabine transmissora do telão no estádio exigindo que retirem as cenas da contusão do jogador do seu time. Percebemos então, o poder da mídia/capital no que nos é mostrado, ou seja, aparece somente o que empresários querem. Além disso, há também, explicitamente, o interesse financeiro – patrocínio - nas jogadas e pontuações a exemplo do touchdowm. O enredo deste filme aponta a dicotomia e paradoxo do amor pelo esporte (no imaginário do treinador) e a ganância pelo dinheiro advindo do espetáculo esportivo, pois, o período de glórias, de fazer por amor é subsumido pela força do capital. Nesta relação atropelam-se a ética, a moral, a saúde (jogadores são escalados mesmo correndo risco de morte). Poderíamos pensar que estamos diante de uma ficção cinematográfica e que “qualquer semelhança...,” no entanto, quem não se lembra, aqui mesmo no Brasil, do caso do jogador “Serginho” do São Caetano?
            Então, por que Lionel Messi? Sem desmerecer o fascinante jogador compreendemos que se trata de um astro futebolístico e midiático, patrocinado por grandes marcas do mercado, uma delas a mesma da Copa do Mundo (coincidência não?) o que nos leva a crer, pelo menos nesse mundial, que não foi o melhor futebol escolhido e sim, o que geraria mais dinheiro na mídia e para os empresários.
            Concluo este texto com a fala do Presidente da FIFA Joseph Blatter: “Considero que a decisão foi incorreta. Me surpreendeu quando recebi a escolha do comitê. Me disseram que analisaram só dez jogadores que participavam da final”. Será que ele não sabia? Duvido!!!!

5 comentários:

Giovani Pires disse...

Beatriz, parabéns pela instigante reflexão que fizestes sobre a escolha de Messi, como melhor jogador da Copa 2014.
De fato, é muito provável que os interesses econômico-financeiros, tão bem identificados e descritos em sua breve resenha sobre "Um Domingo Qualquer" (aí, camarada Dorenski!), tenham influenciado nessa escolha. Ainda que tenha faltado em seu texto, na minha opinião, uma relação mais direta e objetiva. Por exemplo: que empresa patrocinou a Copa e patrocina Messi? Eu sei qual é, mas seria interessante expor isso porque tira uma possível sensação de "teoria conspiratória", que o texto não tem.
Por fim, creio que a declaração do presidente da FIFA mereceria ser mais explorada. Ela diz tudo a respeito do Bobo (que de bobo não tem nada) da Corte.
Parabéns e parabéns ao Dorenski que te provocou essa reflexão com a disciplina.
(Obs.: só dei alguns pitacos por que considero o texto muito bom, pergunte ao Dorenski)

Silvan Menezes disse...

Muito bom o texto Beatriz.
Questão pertinente que inclusive ganha potência com a indicação dos três que estão concorrendo para melhor do mundo na eleição da FIFA. Andei acompanhando a discussão nas redes e parece que os aficionados por futebol não concordam muito com a presença de Messi entre os três.
Parabéns.

André 40 disse...

Quantas reflexões hein Beatriz?
Parabéns pela sua produção! De fato, o Fenômeno Esportivo é um prato cheio para a construção de discursos que muitas vezes damos por naturalizado. Cabe um "outro" olhar para aquilo que nos é apresentado! Somos capazes de fazer outros olhares!

Abração e continue escrevendo!

A40

Beatriz Miranda disse...

Gostaria de agradecer a todos que postaram seus comentários, elogiando e dando suas sugestões, que são de grande valia para mim, pois assim posso melhor muito.
Em relação ao comentário do Giovani Pires, adorei seus pitacos. Ah, não coloquei a marca do patrocinador pelo fato de não querer expor a mesma. Já a declaração do presidente da FIFA reconheço que poderia ter explorado muito mais.
Mais uma vez agradeço a todos e princialmente ao professor Sergio Dorenski pela ajuda, empenho e a oportunidade que a mim foi dada.
Abraços.

Sergio Dorenski disse...

Legal Beatriz, acho que você tem na mão um vasto de possibilidades para aprofundar as questões, daria um excelente trabalho, pense nisso! As sugestões apontadas e tua reflexão esboça isso. Agradeço também aos LaboAmigos que tem nos ensinado muito aqui na contribuições para manter nosso olhar atento e o Blog vivo...
continuemos com a pegada!