sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

O handebol e sua relação (?) com a mídia

Colegas do blog!
No exercício, ainda, da disciplina "Educação Física, Esporte e Mìdia", turma A, os acadêmicos Artur Alves e Jéssica Lorena trazem seu texto tematizando o handebol brasileiro e suas relações com a mídia, mais especialmente, a televisiva. Leiam e sintam-se convidados a participar do debate, comentando... concordando, discordando, trazendo mais elementos, novos olhares, outros posicionamentos sobre o mesmo tema!

:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-:-

 


Por que será que o Handebol não é um esporte tão divulgado pela mídia brasileira (televisão, jornais, revistas, etc.)? Mesmo sabendo que pode se tornar um esporte popular, adequando-se a variados espaços para execução, ele não recebe muita atenção para que se realize tal fato. Além de que, diz-se, é o esporte que está mais presente nas escolas brasileiras. Percebemos assim que o esporte mais monopolizado no Brasil é o futebol, o qual recebe cotidianamente destaques em toda a mídia, seja ela impressa, televisionada, digital, entre outros, ou seja, reforça a ideia da monocultura do esporte brasileiro.
No entanto, alguns canais de televisão tentaram e tentam ir “contra a maré”, assim como ocorreu com a TV Bandeirantes que transmitia alguns jogos das seleções brasileiras, logo no início dos anos 2000. Em seguida, veio a ESPN Brasil (canal fechado), com as transmissões dos mundiais e do Campeonato Brasileiro até o ano de 2011.
Hoje o Handebol é transmitido exclusivamente no Brasil pelo canal Esporte Interativo, um canal aberto, no qual conseguiu a exclusividade de transmitir os últimos mundiais, masculino e feminino. Mas isso sabemos que contam interesses principalmente financeiros na troca de canais de transmissão, tantos dos patrocinadores quanto do valor pago pela Confederação.
Voltando à pergunta inicial desse texto, fica fácil responder com alguns pontos que destacamos abaixo:
1-     O handebol não possui um ídolo nacional assim como o Falcão no futsal e o Giba no voleibol. Mesmo tendo atletas como Bruno Souza que em 2003 foi o 3° melhor do mundo e Alexandra Nascimento eleita agora no começo de 2013 como a melhor atleta mundial em 2012;
2-     No caso brasileiro, a modalidade nunca conquistou um ouro em Mundiais ou em Olimpíadas (como já ocorreu com o futebol, o vôlei e o basquete);
3-     A Confederação não se comunica como deveria com suas Federações na organização de torneios, campeonatos e eventos. E mesmo sua sede estando em Sergipe (que não passa apenas de um “jogo político”) não traz nenhum benefício para o esporte nem nacionalmente nem ao menos na região;
4-     E por fim, o esporte não é telespetacularizado como é na Europa, com grandes jogos, várias câmeras, com músicas nos intervalos de tempo, contratações milionárias entre os clubes, a entrada dos jogadores segue padrões estilo do UFC.
Deixamos uma pergunta para os colegas: Ao handebol brasileiro, sua situação, na maneira que está, está boa ou será que a modalidade precisa mesmo ser telespetacularizada para se tornar mais um no meio dos outros?

14 comentários:

jornallibertadores disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tiago Brito disse...

Pode estar boa, a depender do interesse de quem esta administrando, que por sinal não parece ser nenhum gênio da arte moderna.
Dos esportes INDOOR no Brasil, Acho o HANDEBOL o que fica mais aquém do seu verdadeiro potencial. E muito disso se deve ao ITEM 3 citado no texto. Pois até o RUGBY patrocinado pela TOPPER já consegue obter mais apelo midiático com propagandas em TV ABERTA.
Um exemplo claro da importância de uma boa gestão foi a crise do BASQUETEBOL brasileiro, que amargou uma sequência de resultados negativos com a seleção, e enfraquecimento da liga nacional, que após uma grande discussão e mudança de GESTÃO, passa a ressurgir com o NBB e voltar a ter apelo midiático. Porém o Basquete feminino ta fadado ao esquecimento...
Para se conseguir este ABRAÇO carinhoso da mídia, é fundamental se criar mecanismos que gere uma LIGA NACIONAL forte. Coisa que é extremamente defasada no HANDEBOL, aja vista no ultimo ciclo olímpico feminino, onde das 14 convocadas, apenas uma jogava no Brasil, e até por isso a seleção apresentou melhora de nível técnico, por existir este intercâmbio.
Baseado nesta ultima observação minha, acho que o HANDEBOL poderia se inspirar um pouco no VÔLEI. Explorando a imagem das boas jogadoras do Brasil, como a atual melhor do mundo ALEXANDRA, como a famosa arqueira XANA, a pivô DUDA. E assim como no VÔLEI, montar times que explorem a imagem dessas garotas com potencial para ídolo esportivo, tornando algo rentável e digno de se TELESPETACULARIZAR.
Pois a relação do esporte com a mídia é uma via de mão dupla, e a Mídia não ajuda o esporte gratuitamente, por isso só valeria a pena a TV arriscar algumas horas $agrada$ da sua programação, com algo que notoriamente venha a dar retorno.
Em suma, implodam o COB, e deem uma sacudida na CBHB.

Beatrice Wanders disse...

Em primeiro lugar quero dar os parabéns aos meus colegas, Artur e Jessica Lorena pelo belo texto, saindo da linha do futebol, e buscando apresentar que o esporte vai muito além do tão falado e televisivo futebol.
No Brasil há um número muito grande de praticantes nas aulas de educação físicas nas escolas, infelizmente a linha de conhecimento encerra por ai. Todos nós sabemos que o handebol não é um esporte televisionado, assim, como o futebol, o vôlei, o futsal. As emissoras de Tv’s abertas não mostram o espetáculo de um jogo de Handebol, assim, cabe a algumas, ou quem sabe alguma Tv fechada transmitir algum jogo.
O Handebol no Brasil apresenta/tem pouco espaço tratando-se de investimentos e mídia, e isso é um problema que acarreta esse não despertar para um esporte que vem crescendo muito nos últimos tempos. O Brasil é bi-campeão pan-americano da modalidade, tanto no masculino, quanto no feminino (Santo Domingo 2003 e Rio de Janeiro 2007). Temos a equipe feminina que vem crescendo gradativamente, e é admirada no mundo pela sua força e vontade. Como os próprios autores do texto revelam o handebol brasileiro não tem ídolos e nem atletas “conhecidos”, mesmo tendo atletas como Bruno Souza que em 2003 foi o 3° melhor do mundo e Alexandra Nascimento eleita agora no começo de 2013 como a melhor atleta mundial em 2012, e se não, uma das melhores goleira do mundo XANA. Agora levanto uma questão, porque não existem patrocinadores e nem investimentos para o handebol, e porque a mídia “se faz de desentendida” sobre o assunto??????
No entanto, o handebol brasileiro parece fadado ao amadorismo, uma vez que os projetos nacionais para o esporte são incipientes e sua popularidade não vislumbra grandes horizontes estando longe da TV aberta. É preciso olhar com muito cuidado, conseguir patrocinadores para fazer o esporte crescer e ser colocado num patamar que lhe é de direito.

Giovani Pires disse...

Ola,

Como alguém que foi bastante envolvido com o handebol (atleta medíocre, treinador frustrado e arbitro, bem, árbitro...), gostei muito de ver essa postagem.
De fato, acho que não há apenas uma razão porque o handebol não é o "queridinho" da mídia, mas um conjunto de fatores que passa, antes de tudo, por uma questão comercial, como sabemos: a mídia precisa reduzir o número de modalidades pra não precisar repartir demais o bolo (publicidade).
Mas há um outro aspecto, que os mais jovens talvez tenham dificuldade para compreender: falta um projeto de uma grande empresa que não invista no handebol, mas invista em si mesma, através do handebol!
Foi isso que aconteceu (e acontece até hoje) na relação voleibol e Banco do Brasil, nos anos 80. Foi um projeto do banco para rejuvenescer sua imagem (acho que o Cris conta isso, num artigo sobre a história recente da modalidade). Enfim, não foi a mídia que o escolheu, foi escolhida para veicular o projeto do banco. Deu nisso que conhecemos hoje.
Continuamos...

Eduardo Carvalho disse...

BOM, PRIMEIRAMENTE PARABENIZO E AGRADEÇO AO GRUPO PELAS INFORMAÇÕES TRAZIDAS NESSA PUBLICAÇÃO.

TALVEZ EXISTAM OUTRAS QUESTÕES A SE PENSAR, ESSAS DEVEM IR ALÉM DE CRITICAR A MANEIRA COMO O FUTEBOL SE APRESENTA NO SENÁRIO LOCAL/GLOBAL. DESSA FORMA, QUERO DIZER QUE A PARTIR DA CONTRIBUIÇÃO DO PROFESSOR GIOVANE, QUE DEVEMOS PERCEBER ESSAS QUESTÕES RELACIONADAS AO INVESTIMENTO EM UM DETERMINADO ESPORTE. PENSAR APENAS EM PROCURAR UM CULPADO PARA O INSUCESSO DO HANDEBOL NA MÍDIA NÃO ADIANTA... ALÉM DISSO, TAMBÉM FAÇO UMA PERGUNTA: APESAR DE SABER DO "PROBLEMA" DA MONOCULTURA ESPORTIVA BRASILEIRA, QUAL O PROBLEMA DO HANDEBOL CONTINUAR COMO ESTÁ? CONSIDERANDO AS INFORMAÇÕES TRAZIDAS ATÉ AQUI, ISSO ME PARECE MAIS UMA QUESTÃO DE EGO. PELO QUE VI AQUI SE ELE É UM DOS ESPORTES QUE MAIS CRESCE EM NÚMERO DE PRATICANTES E ESTE MESMO É BEM DIFUNDIDO NAS ESCOLAS, QUAL O PROBLEMA DESSE NÃO APARECER DA MESMA FORMA QUE O FUTEBOL NA MÍDIA?

Suely Moura disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Suely Moura disse...

Em primeiro lugar gostaria de parabenizar o grupo pela elaboração do respectivo texto e pelos questionamentos elencados.
Levando em consideração que handebol é um esporte coletivo menos praticado na nação brasileira se assim for comparado a outros esportes como futebol e voleibol, por exemplo, porém nas escolas é o esporte mais praticado. Dessa maneira, ficando notável uma contradição e gerando a pergunta elencada no texto, porque o handebol não é um esporte transmitido pela mídia dando uma ênfase na TV aberta principalmente? Poderá se pensar em questões de interesse, o que os veículos midiáticos ganhariam com isso? Para isso, tanto o esporte quanto a mídia deverá ser beneficiada em uma relação recíproca onde todos são beneficiados, além das empresas publicitárias. Nesse caso, ficando a questão de se refletir acerca dessas indagações.
Nesse sentido sabendo que o esporte por não ser difundido na mídia é pouco conhecido pela população, assim, uma das realidades é que os times dos estados sofrem muitas dificuldades para se desenvolverem, sem incentivo, além de não possuírem estabilidade econômica. Se olharmos também para a seleção brasileira de handebol tanto masculina quanto feminina, passam por dificuldades de investimento, não tendo projetos nacionais suficientes para seu desenvolvimento, além de não ter uma divulgação digna para a evolução do esporte no país, apesar de ter um significativo crescente em ambas seleções.
Diante disso, o handebol precisa ser mais disseminado nos meios midiáticos para que este possa realmente atingir o seu potencial, sendo assim, verdadeiramente conhecido e praticado no Brasil. Vale elucidar que as aulas de educação física escolar deveria ser um meio para o conhecimento, prática e divulgação desse esporte, indo além dos times construídos fora das aulas.

Evandro santos de melo disse...

Primeiramente quero parabenizar o grupo pelo texto e debate proposto. No início dos anos 2000 aqui em Sergipe uma febre da modalidade handebol tomou conta das escola, sendo em algumas o esporte tido como numero um, no entanto não houve por parte dos governantes, nem da MÍDIA uma maior apoio para que tal continuasse a ganhar mais espaços, vista que a mídia por vezes ignora alguns fatos como já citado acima como a exploração de ícones do handebol( que existem , as grandes como já sabemos a mídia trabalha com a espetacularização, ou seja, dar visibilidade a modalidade a qualquer custo, com o handebol aqui no Brasil isso ainda não se de deu, mas será que num futuro próximo isso ocorrerá ? será que algum dia teremos o handebol no mesmo "nível" do futebol, ou futsal? será que um medalha olímpica ascenderia essa chama para maior valorização desta modalidade? ficam as dúvidas e incertezas quanto a isso.

João Filipe disse...

Pow bom texto e até curioso pra mim comentá-lo que ja joguei e competi no handebol a nível estadual (jogos da primavera)dentro da escola, acho muito relevante debatermos o porque o handebol e até outros esportes não são tão veiculados pela grande mídia, que se apropria do futebol e do vôlei para gerar publicidade com isso lucros. Dando uma lida nos comentários de certa forma organizei melhor minhas ideias com algumas postagens, mais precisamente com ado professor Giovane e do Evandro, onde o professor clareia minha mente quando exemplifica o vôlei que teve um crescimento enorme a partir da interferência do "BB" que se utiliza do esporte para ganho próprio, então é isso será que surgirá uma grande empresa que "investirá" no esporte para se auto promover? trazendo para outro exemplo mais recente o MMA que explodiu mundialmente com a marca UFC e agora vem sendo especulada como segundo esporte mais "amado" pela população brasileira, enfim é uma grande observação que me fez abrir meu olhar para essa questão. Outro ponto tocado por Evandro é o da prática do Handebol nas escolas, dito por ele que nos anos 2000 virou febre no estado com um grande número de praticantes, só discordo dele quando ele começa a datar os anos 2000 como o ano que explodiu o esporte no estado, porque o Handebol muito antes disso é considerado o segundo esporte mais praticado em nível escolar perdendo apenas para o futebol e suas varioções, então voltando ao ponto me pergunto como um esporte tão praticado nas escolas não tem um "poder" no mínimo próximo ao futebol ou maior que o vôlei... Então é onde chego que as ideias do Giovane e do Evandro mostram como esse ralação de publicidade e economia se sobressaem a própria prática escolar,mesmo que esta diz uma coisa totalmente diferente do que a mídia nos passa, pois é muito praticada nas escolas,mas mesmo assim a ideia da mídia acaba sendo acolhida pelos telespectadores que se envolvem e continuam por promover o vôlei ou o MMA como os melhores e não o handebol.

Sergio Dorenski disse...

Olá pessoas, parabéns mais uma vez. Acho que o Gio disse tudo sobre os questionamentos. Houve um tempo em que o Handebol era bem popular aqui no Nordeste, melhor ainda, em Sergipe era a maior e melhor modalidade esportiva que destacava o nome do Estado lá fora. No entanto, poucos ou ninguém pensou numa articulação mais profissional e envolver a dimensão Esporte, mídia e capital. Era um pouco, ou um muito, a idéia de ficar recebendo sempre as migalhas e de vez em quando falar que um ou uma sergipana está na seleção, ou jogando fora do Estado. Algo muito pouco para o que se produzia aqui. Mas, esperar o que desses caras que lidam com o esporte sergipano (principalmente a mídia)? Vejam o futebol! Trash!!!!Além de que, os empresários com raríssima exceção (aqui destaca-se o saudoso Joaquim Ribeiro, da fábrica confiança) acreditam que estimular o o esporte em parceria com a mídia era um favor...uma ajuda. Nunca pensaram no retorno que poderíam receber....é isso!!!!

Jéssica Del' Neves Santos Gomes disse...

A inserção do handebol no cenário televisivo brasileiro serviria para diversificar a programação e a transmissão de jogos na TV aberta. Todavia essa possibilidade é muito pequena, pois os interesses econômicos superam a vontade e o desejo de assistir esse esporte no aconchego de nossas residências. A disputa por um espaço televisivo contra o futebol e o vôlei é inviável, tendo em vista que ambos estão incorporados na cultura do povo brasileiro.

Fernanda Melo disse...

Fernanda Melo
Penso que o handebol, assim como as outros esportes possui suas características, seus esforços, seus valores. E cada uma de das modalidades deve ser valorizada em igualdade.

Vinícius Carvalho disse...

Vinícius Carvalho: O handebol é um esporte muito desvalorizado no Brasil, como o futebol, o basquetebol e até mesmo o voleibol, eu acho que um dos motivos é que a seleção brasileira de handebol nunca ganhou um campeonato de peso que é muito divulgado, como as olimpíadas. campeonato que os outros esportes citados acima já ganharam. Outro motivo pode ser a cultura brasileira nunca foi voltada a esse esporte que é pouco incentivado na hora da criação, não é esse esporte que incentivado.

jeiely disse...

Jeiely sulamita: eu acredito que o esporte tem sim muitos bons jogadores que jogam bem e que mereciam o respeito de todos e também da mídia. muitas pessoas se esterassem por esse esporte e querem ver jogos para entender mais sobre o esporte e não encontram então acho que seria bom que a mídia divulgasse esses jogos para quem esta interessado no esporte.
essa é minha opinião.