segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

PADRÃO “FIFA DE QUALIDADE”ATÉ MESMO NO TURISMO SEXUAL DURANTE A COPA

Nova postagem elaborada por estudantes da disciplina de Mídia e Educação Física do curso de Licenciatura em Educação Física da UFSJ.


PADRÃO “FIFA DE QUALIDADE”ATÉ MESMO NO TURISMO SEXUAL DURANTE A COPA
 Por Dimas de Paula Costa
 
      O assunto mais falado nas mídias ligadas ao esporte nos tempos é, sem dúvida, a Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Dificilmente não se fala ou não tem reportagens nos programas esportivos de TV falando sobre a Copa. Qual o estádio mais adiantado, o mais atrasado, a porcentagem  das obras de cada um, a capacidade, quantos milhões a mais irá custar ao governo(povo brasileiro) e mais uma série de reportagens superficiais.
     Um fato relacionado a Copa no Brasil, no entanto, nos chamou atenção.Trata-se de algumas poucas notícias (os links para as notícias se encontram ao final do texto) sobre a Associação das Prostitutas de Belo Horizonte, que oferecerá cursos grátis em idiomas para as prostitutas visando a Copa do Mundo de futebol no Brasil em 2014. O objetivo do curso é ‘qualificar’ as prostitutas para melhor atenderem os turistas que virão ao nosso país nos próximos anos.
     Podemos observar como um acontecimento pode ser noticiado de formas diferentes, porém sem conduzir a reflexão. O site da Folha dá ares de ironia, publicando inclusive, uma charge. Já no título da notícia, a Folha usa o adjetivo "Prostitutas" para se referir ao grupo social destacado no texto, apresentando ao leitor uma certa "pejoratividade" no fato apresentado. Já no site da TV Alterosa (afiliada do SBT em MG), O título da notícia se refere ao mesmo grupo como "Profissionais do sexo", atribuindo um caráter de maior seriedade ou respeito ao grupo social noticiado. Além disso, a notícia nesse veículo não optou pela ironia, como fez a Folha, o tom da notícia é de certa "admiração" com esse possível legado social da Copa, destacando, ainda que a iniciativa tem apoio popular.
     Podemos, assim analisar que nenhuma das duas reportagens aborda ou questiona de maneira crítica a herança social da Copa. As prostitutas estão se qualificando para se inserirem no grupo de pessoas aptas a receber turistas estrangeiros ("inclusão" qualificada no mercado de trabalho?) e não para se libertar de condições opressivas presentes em tal ramo, ou mesmo se proteger da exploração e violência ao qual por vezes são submetidas. O tipo de "capacitação" oferecida as profissionais do sexo é apenas instrumental e não emancipatória, no sentido de uma educação que possa promover a liberdade humana. Por outro lado, seria responsabilidade das autoridades intervir neste tipo de incentivo, como aconteceu em Londres em 2012, onde o Estado, para prevenir abusos em relação ao turismo sexual, proibiu qualquer atividade de prostituição nos arredores onde os jogos aconteceriam, fechando até mesmo boates e casas noturnas ligadas ao mundo do sexo?
     E pergunto aos colegas: é esse o legado da Copa para o Brasil? Será que a Copa, ao fim das contas, servirá para isso, o incentivo ao turismo sexual? Muito se fala do legado que será deixado pela Copa, mas não vemos isso concretamente. Os aeroportos continuam deficitários, os transportes públicos terrestres estão cada dia mais caóticos, o sistema de saúde só piora, as escolas não conseguem cumprir seu papel, a educação física em Minas Gerais nas escolas não precisará contar mais com professores da área nos primeiros anos do ensino fundamental.
     Enfim, não vemos e nem conseguimos imaginar uma melhoria real no país. Enquanto isso, rios de dinheiro são gastos nos estádios. Infelizmente, a mídia esportiva não faz esse tipo de reflexão e não se preocupa em levantar este tipo de reflexão. Enquanto isso, a FIFA faz mais e mais exigências, que muito das vezes se sobrepõe a lei e a nossa cultura, bem como as nossas condições financeiras. O pôster oficial da Copa no Brasil faz referência a nossa cultura, enquanto a FIFA proíbe o presença de vendedores típicos em torno dos estádios.
    E aí, o caso do treinamento para as prostitutas é um exemplo para os brasileiros? É um caso claro de incentivo ao turismo sexual ou apenas não merece ser discutido, como faz a mídia?
 

10 comentários:

Silvan Menezes disse...

Sobre o turismo sexual, sem comentários... se a beleza da mulher brasileira já era vendida em tempo de "vacas magras" no Brasil, imagina agora com promoção e realização de Megaeventos esportivos e com "vacas gordas" (Sem trocadilhos!).
Sobre as informações críticas e reflexivas sobre os Megaeventos no Brasil, especialmente sobre os Jogos Olímpicos do Rio, eu acredito na teoria de que estamos cercados por um discurso midiático diretamente interessado no produto (JO RIO/2016) e não vão apresentar nada que desgaste a imagem/valor do produto deles. Os principais conglomerados midiáticos do país são detentores dos direitos de transmissão dos Jogos, não dá para esperar muita coisa vinda deles.
Seguimos... parabéns Dimas.
Abraço

Silvan Menezes disse...

Sobre o turismo sexual, sem comentários... se a beleza da mulher brasileira já era vendida em tempo de "vacas magras" no Brasil, imagina agora com promoção e realização de Megaeventos esportivos e com "vacas gordas" (Sem trocadilhos!).
Sobre as informações críticas e reflexivas sobre os Megaeventos no Brasil, especialmente sobre os Jogos Olímpicos do Rio, eu acredito na teoria de que estamos cercados por um discurso midiático diretamente interessado no produto (JO RIO/2016) e não vão apresentar nada que desgaste a imagem/valor do produto deles. Os principais conglomerados midiáticos do país são detentores dos direitos de transmissão dos Jogos, não dá para esperar muita coisa vinda deles.
Seguimos... parabéns Dimas.
Abraço

Giovani Pires disse...

Tche, to cada vez mais encantado com as discussões que tem rolado por aqui, oriundas das disciplinas de mídia e EF em Aracaju e SJR !!!
Parabéns, amigos Cris e Diego pelo incentivo e pela qualidade das postagens e comentários dos seus pupilos!

Anônimo disse...

É por isso que o Brasil não vai pra frente,tanta coisa pra fazer e ainda tem a cara de pau de divulgar e apoiar uma coisa dessas,não querendo desmerecer as prostitutas, pois acredito que são pessoas que tiveram poucas chances na vida, pelo menos a maioria delas. O governo ao contrário de investir em "prostituição qualificada" deveria investir em cidadãos qualificados para o mercado de trabalho. E com isso como fica a prostituição infantil, ninguém pensa o que isso pode influenciar? De que adianta vc proibir se por outro lado você apoia, não acho que o governo deva discriminar essas pessoas, mas sim oferecer oportunidades de seguirem uma vida mais saudável e com melhores empregos!!! Que país é esse que só vê o bem de quem tem dinheiro pra gastar!!! Uma Pena, às vezes tenho vergonha de ter nascido neste país!!!


Jáder de Carvalho Morais - Aluno da UFSJ (Universidade Federal de São João Del Rei)

Wyllder Nascimento disse...

Em primeiro lugar, parabéns pela reflexão e postagem no blog. É evidente que o fato mereça ser discutido pela mídia, pois as "prostitutas" ou "profissionais do sexo" fazem parte da sociedade assim como todos, e é através da discussão e criticidade que melhoraremos a sociedade. "Às vezes recebemos grandes ligações de quem nem imaginamos. As "prostitutas" ou "profissionais do sexo" ficam como sempre, esperando por algo melhor para suas vidas. Quem sabe um dia serem reconhecidas como gente."

Wyllder Nascimento Gonçalves - UFSJ - Educação Física - 2º Período

Mayara Ramalho disse...

Parabéns pela postagem, pois acho um tema interessante a ser discutido. A midia deveria tratar esse tema com mais criticidade, e mostrar "os dois lados da moeda", e não apenas ficar mostrando como está as obras nos estádios, pois além desse fato das "profissionais do sexo" existe muita coisa acontecendo no Brasil ligado a copa, que a midia se quer comenta.

Mayara France Assis Ramalho 2º Período

Tales Fidelis disse...

Muito boa à análise feita por Dimas Costa. É uma pena que nem todos consigam interpretar a mídia dessa maneira, otimista que sou acredito que um dia quem sabe mais pessoas deixem de ser meros receptores e passem a serem sujeitos críticos dessa mídia. Assim, ela deixe de dar destaque a coisas fúteis e olhe com seriedade o que realmente necessita. Nesse caso da Copa do Mundo, o dinheiro público que está sendo gasto, por exemplo. Ou que fale sobre as prostitutas, porém, questione como elas são tratadas nesse país, o motivo pela qual elas estão nesse ramo, se elas tiveram escolhas, etc.
Dimas quanto a sua pergunta, seria uma pena ter como legado incentivo ao turismo sexual, mas o legado que interessa pra todos os brasileiros até agora não vi nada, aeroportos? Transporte público? Que nada, até agora só os bolsos dos políticos e empresários que modificaram. Mas tranquilo basta o Brasil ser campeão que vai valer a pena, ninguém vai lembrar-se de mais nada, nem questionar. Lamentável.

Tales Fidelis, 6º período Educação Física - UFSJ

Bruna Cândido disse...

Meus sinceros parabéns Dimas,sua postagem foi muito esclarecedora e de grande auxílio para que possamos ampliar nossa reflexão sobre os assuntos tratados pela mídia.O que está claro aos nossos olhares é uma verdadeira autodestruição de nosso país,assuntos como estes que você ressaltou deveria sim ser tratados e retratados,pois temos o dever de intervir nessas ações,que muitas vezes não são transmitidas a nós ou ao menos não são vistas com olhares críticos.Como você disse,enquanto o nosso governo gasta rios de dinheiro em construções de estádios ,nosso país só piora em qualidade de saúde e educação,isso sem mencionar outros problemas enfrentados pelos brasileiros,e ,enquanto isso profissionais do sexo ampliam seus conhecimentos linguísticos,não para se libertarem dessa "escravidão",mas sim para se aprofundarem mais .Não que este não seja um assunto que deva ser tratado com seriedade,e deve ser sim ,mas é isso que muitas vezes acontece ,por pura influência da mídia ,que como já sabemos tem o poder de decidir o que é importante e o que e desprezível!
Bruna 2º período -UFSJ-

Anônimo disse...

Parabéns Dimas
Talvez esse seja o problema da cultura de massa, as mídias preocupadas unicamente com o consumo, importando-se em dar notícia que tenha impacto, chamando a atenção para a notícia sem se preocupar se ela é de qualidade e de transformação, no geral podemos notar uma mídia sem fins educativos, com o único objetivo de ter audiência causando a alienação.
Diante de tantas coisas acontecendo no nosso país, podemos notar o que a mídia prioriza, a exemplo disso seria o mega evento copa do mundo, que funciona como um narcótico, fazendo o povo viver o momento sem pensar em suas conseqüências, ocorre um letargia total em relação aos valores morais, todos estão muito felizes com tal evento ocorrendo em nossa terra que não se dão conta das necessidades reais do brasileiro.
Talvez a resposta para todas essas questões fosse o envolvimento do governo, buscando políticas com objetivos educativos para sociedade em que vivemos e controlar a mídia que tem fins lucrativos, assim poderia contribuir para a formação de um cidadão crítico e reflexivo.
Por: Scheila Rose

Marcus Torres - 6ª Período - UFSJ disse...

Muito boa a análise, Dimas! Fico aqui pensando, me colocando no lugar dessas profissionais do sexo... Que vida elas tem? Será que elas queriam levar essa vida? Acredito que a maioria não. Mas as dificuldades do dia-a-dia e a falta de escolhas, levaram a essa única opção, vender seus corpos. Ainda bem que elas terão a oportunidade de fazer um curso de inglês, quem sabe depois não conseguem um emprego melhor, só por terem esse curso?
Quanto a ideia da mídia, fico "admirado"... Tantos milhões de reais investidos em estádios, e nada divulgado na mídia! Somente meros detalhes que não vão interferir na vida de ninguém. Em certos momentos como este, me dá uma falta de esperança desse país melhorar. A mudança está de cima pra baixo, e não de baixo pra cima! Os maiorais detêm o poder, lamentavelmente!