quinta-feira, 19 de novembro de 2015

“INVISIBILIDADE FEMININA NO CAMPO ESPORTIVO: Reflexões para além do midiático!”

Olá Pessoas, mais um texto dos alunos da Disciplina Ed. Física, Esporte e Mídia...Fiquem a vontade para os pitacos e comentários..
Dorenski




“INVISIBILIDADE FEMININA NO CAMPO ESPORTIVO: Reflexões para além do midiático!”
Kleverton Felix Silva
José Dantas Júnior Farias

O esporte, na atualidade, é considerado um fenômeno social de grande abrangência e visibilidade e faz parte da vida de muitas pessoas (GOLLNER, 2004). No entanto, o pertencimento a determinado gênero (feminino) tem sido um território de demarcações usado para dificultar a participação feminina em diferentes modalidades esportivas. Historicamente, algumas modalidades eram prescritas ao sexo feminino ou ao masculino, as meninas ou aos meninos, as mulheres ou aos homens, generificando os esportes (JAEGER, 2006).
A presença da mulher em modalidades esportivas, como o boxe e o futebol, não feminiza esses espaços, o que parece ocorrer é justamente o contrário, os valores masculinos são absorvidos pelas praticantes, o que acabam por reafirmar a ideia de que as mulheres tendem a se masculinizarem em certos espaços esportivos (RIAL, 2000).
Moreira e Silva (2008) destacam que a suposta masculinização do corpo feminino, através do esporte é ideia incorporada e disseminada, inclusive pela mídia. Isto porque, especialmente em época de grandes eventos esportivos, são expostos ao público, através das coberturas midiáticas, sendo que o esporte é um fenômeno midiático e cria relação entre produção e consumo, consequentemente, pode haver o consumo de padrões, ideais, conceitos, pontos de vista relacionados aos comportamentos esportivos.
As mulheres, mesmo com muitos obstáculos para transpor vêm conquistando seu espaço no campo esportivo. Ainda assim, os atletas masculinos recebem tratamento diferenciado da mídia esportiva. A mídia nos dias de hoje, atua como um elemento determinante para a manutenção da invisibilidade da mulher no campo esportivo. Compreendemos que a busca da mulher por um espaço na sociedade, não só no campo esportivo, foi de certa forma, marcada por discriminações. As diferenças sexuais são pretextos para impor relações de hierarquia que apontam supremacia masculina aliada à subordinação da mulher, pois, os atletas masculinos ocupam mais espaços no mundo do esporte, devido as ações da mídia que exercem influências nas pessoas, fazendo com que sejam atraídas e assim, aumente o consumo dos espectadores. (ROMERO, 2004)

14 comentários:

Cristiano Mezzaroba disse...

Aos colegas autores do texto, bem-vindos ao blog!
Tocaram numa questão pouco usual também nos assuntos e pesquisas midiáticas.
Na verdade, o próprio esporte é masculinizado, reflexo da própria sociedade, que em seu movimento, procura tratar e problematizar e encontrar "saídas" para isso.
Lembremos que o esporte de alto rendimento, sendo modelo do que entendemos por "esporte", tem como prerrogativa a máxima eficiência e desempenho técnico, e nesse sentido, o corpo masculino é sempre colocado como referência também às mulheres. Alguns exemplos bastante batidos: vemos um jogo da seleção brasileira de futebol feminino e quando fazem uma jogada legal e bem feita, falamos: "nossa, parece um homem driblando e chutando pro gol!"; vemos uma jogadora de vôlei atacando e "cravando" a bola e alguém dispara: "joga como um homem!". O mesmo pode valer para as atuais lutadoras de MMA, vide o recente caso do golpe sofrido pela Honda que a nocauteou. Inclusive o linguajar das atletas, geralmente, tem como base o linguajar masculinizado.
Nem tanto ao céu, nem tanto ao inferno: vemos casos, abjeções e distorções em que esse "referencial masculino" é subvertido, questionado, problematizado. Idem aos Jogos Gays (Gay Games), aos Jogos Indígenas, etc.
De certa forma, há um movimento, também visível no Brasil, em que internamente à estrutura esportiva, há um avanço da conquista dos espaços das mulheres. Infelizmente, como vemos, a mídia, quando "se mete", vem apenas para reforçar estigmas e discriminações, ao invés de ajudar, reforça tabus. Prestemos atenção, por exemplo, na maneira como corpos de atletas masculinos aparecem estampados em capas de jornais e revistas e programas de tv e reportagens na internet, e comparem como aparecem as mulheres.
Parabéns pelo texto e análise!

Silvan Menezes disse...

No caso dos atletas com deficiência e do esporte paralímpico, há evidências apontadas em algumas pesquisas no Brasil e fora do país, de que os corpos femininos com algum tipo de deficiência tendem a ser veiculados como se "assexuados", ou infantilizados.
Bom tema para discutir em tempos que boa parte do Brasil pisou com os pés sujos de lama em muitas páginas da obra de Simone de Beuvoair!

Parabéns ao grupo.

Luiza Fernanda disse...

O texto retrata um pouco da trajetória da mulher no esporte, no qual foi marcada por uma sociedade preconceituosa, o predomínio das relações de hierarquia, supremacia (Homem) e subordinação (Mulher), diferenças sexuais e influências.
As modalidades mencionadas no texto, como lutas e futebol que historicamente eram modalidades praticadas pelo o sexo masculino, hoje essa tese está sendo desmistificada. Pois, atualmente já existe mulheres conceituadas nestas modalidades, tais como a Jogadora Marta considerada a melhor jogadora do mundo durante 5 anos consecutivos e a Lutadora de MMA Honda com 12 vitórias consecutivas, sendo sua primeira derrota, tida nos últimos dias, perdendo sua invencibilidade. Essas duas atletas, dentre outras, romperam paradigmas e estigmas no que compreende a prática de modalidades masculinas, e atualmente são bastante respeitadas no mundo do esporte.
Quando diz que mídia contribui para a permanência da invisibilidade da mulher no esporte. Concorde em partes,percebo que na mídia televisiva ainda existe o domínio de mais exibição e debates de esportes e atividades praticados pelo o sexo masculino, quase não tendo, debates referentes ao sexo oposto, em contrapartida, percebo que a mulher no esporte está conseguindo conquistar o seu espaço, lutando contra o preconceito e consequentemente, está sendo mais valorizada nos espaços midiáticos. Porém, ressalto não é o bastante, pois, o correto é ter o seu reconhecimento igualmente com dos homens.

Manoel Messias Xavier disse...

Pegando o gancho nos comentários dos colegas, acredito que a mídia televisiva não explora e investe no esporte feminino justamente por conta que a grande maioria dos consumidores desse produto pertence ao sexo masculino, muitas vezes machistas, não se sentem atraídos a assistirem um jogo de "mulherzinhas", assim o que torna mais lucrativo às emissoras de TV é o que o publico deseja vê e consumir.

Parabéns ao grupo pelo texto.

Jessica Carvalho disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jessica Carvalho disse...

Parabenizo o grupo pela breve revisão literária feita a respeito da mídia ao espaço esportivo feminino.

Porém inicio minha escrita discordando de alguns autores, pelo fato de uma leve critica a escolha de modalidades esportivas caracterizarem um gênero sexual. Falando na primeira pessoal do singular e relembrando que estamos no século XXI isso não existe ou pelo menos não deveria existir em um país caracterizado moderno. Ressalvo que a mídia “fecha de fato o olho” para algumas modalidades esportivas praticadas por mulheres na questão de divulgação, patrocínio entre outras necessidades. Todavia, isso não atinge quem de fato ama o esporte que prática. Estamos falando de críticas nem sempre construtivas porém críticas não existem apenas em modalidades esportivas praticadas por sexo “A” ou “B”.

Sou amante do futsal feminino e nem por isso absorvo valores masculinos, o que gera uma discussão, será que quem absorve valores masculinizados são de fato influenciadas pela modalidade esportiva? Ou porque simplesmente quis absorver? Ou ainda porque o meio em que vive a caracterizou assim?

mateus henrique disse...

parabéns pessoal por mais um texto!!!
Quero deixar meus agradecimentos ao professor Dorenski através da disciplina Educação Física, Esporte e Mídia, por sempre instigar-nos a propor discussões pertinentes a respeito da produção do conhecimento.
Bom no tocante a inserção da mulher no esporte , é notório que tivemos avanços significativos nesse cenário. No entanto ainda nos deparamos com o "bimodalismo" da mulher no esporte, um caracterizado com o tratamento de modelos de padrão de beleza e outro como objeto de desejo.
outra questão é com relação a invisibilidade , atualmente a assistirmos programas esportivos é frequente a presença de mulheres como apresentadoras, o GE( globo esporte) SERGIPE E O NACIOnal são apresentados por mulheres, o jogo aberto e o band bahia tambem são apresentados por mulheres , no esporte interativo e "n" outros programas, será que essa "invisibilidade" é realmente invisivel , ou a mídia com seus interesses econômicos utiliza-se desse recurso para lucrar mais ?
Será que esses Rótulos dados aos esportes masculinizados não estejam relacionados com a semiformação da sociedade que Adorno nos apresenta (?)!!

Susany disse...

Muito bom, o texto nos traz um assunto que é motivo de muitas discussões. A mulher ainda passa por muitas dificuldades tanto no meio social quanto no esporte, mais a pesar das dificuldades continua tomando conta de seu espaço e mostrando do que é capaz. O esporte antes masculino pode ser feito por mulheres com perfeição.
Parabéns

José Dantas disse...

Apesar dos avanços em todos os sentidos que foram alcançados pelo Esporte Feminino ao longo dos anos, o mesmo ainda está anos luz atras do Esporte Masculino. Talvez se investimentos forem feitos no tocante à educação das futuras gerações num futuro não tão distante podemos ter o Esporte Feminino sendo aclamado no mundo todo pelos telespectadores de ambos os sexos..

verto disse...

Concordo com meus amigos que o tema INVISIBILIDADE FEMININA NO CAMPO ESPORTIVO, ainda trás muito a desejar em varios aspectos. Mais que elas vem conquistando a cada dia que se passa, o seu espaço no esporte.

Laynne Aragão disse...

Quero parabenizar a dupla pelo texto.
Realmente há ainda alguns obstáculos que as mulheres veem enfrentando no meio esportivo, mas também há grandes conquistas que só vem a fortalecer e o seu lugar nesse meio.

junior menezes disse...

Parabéns ao grupo pelo texto, que traz um tema pouco abordado pelas mídias, e na maioria das vezes, quando e posto, o enfoque e outro, como a beleza das atletas, e não o esporte feminino em si, como tema principal.

jefferson santana disse...

Parabéns ao grupo por levantar essa discussão a cerca do gênero feminino no cenário do esporte moderno, é notório a grande dificuldade que se tem a respeito da inserção das mulheres no esporte que os homens historicamente dominam, a falta de incentivos e investimentos é muito baixo e também a cobertura da mídia é muito superficial. Ainda permanecemos com as diferenças entre homem e mulher, não apenas no esporte, mas em todos os âmbitos da sociedade. A mulher continua buscando seu espaço em uma sociedade discriminadora.

José Theodoro Filho disse...

Temos a clareza que o preconceito social existente (homens x mulheres) se reflete na admiração que temos nos esportes praticados por mulheres.