segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

O lance do doping

Aos que acompanham nosso blog, segue postagem dos acadêmicos Victor, Saullo, Jussara, Felipe, Fabio e Juliana. Reflexões sobre a questão do doping do "ídolo" do ciclismo mundial, Lance Armsgtrong. Leiam, comentem e nos ajudem a refletir sobre as temáticas tratadas aqui.




...........................................................................................................
          Dia 29/08/2012. Uma semana depois de afirmar que estava desistindo de lutar contra as acusações de doping, Lance Armstrong aparecia no Congresso Mundial de Câncer, em Toronto, no Canadá, e iniciava seu discurso com a seguinte declaração:

“Considerando os recentes acontecimentos, achei que deveria me apresentar novamente. Meu nome é Lance Armstrong, sou um sobrevivente do câncer. Fui chamado aqui para contar a minha história. Sou pai de cinco, e sim, eu ganhei a Volta da França sete vezes.”

          Era mentira. Em entrevista ao programa Oprah's Next Chapter, exibida mundialmente na quinta-feira (17 de janeiro), Armstrong admitiu que se dopou em todos os anos em que disputou o Tour de France. Antes da confissão, a Agência Antidoping dos Estados Unidos (Usada), já havia retirado todos os seus títulos conquistados entre 1999 e 2005, além de bani-lo de todas as competições esportivas, graças a amostras de sangue em 2009 e 2010, e em depoimentos de outros ciclistas. Como consequência, Lance renunciou ao cargo de membro do Conselho de Administração da sua organização, a Livestrong Foundation (que oferece apoio a pessoas com câncer), com receio que as acusações prejudiquem a imagem da fundação.

          Para muitos, a entrevista à Oprah foi apenas a confirmação do óbvio. Jornalistas e críticos acreditam que o fato dele ter usado o programa da maior apresentadora do Estados Unidos foi uma tentativa de aliviar sua barra com o público, e talvez conseguir uma diminuição nos inúmeros processos que vai receber de agora em diante.

          Seja como for, a confissão de Armstrong foi, sem dúvida, a maior vitória contra o doping na história do esporte. Porém, o fato de que o homem que em outrora foi considerado o maior ciclista de todos os tempos usava substâncias ilícitas para obter expressivos resultados deixa não só o ciclismo, mas todas as modalidades e seus fãs e seguidores tristes.

     Dezesseis anos depois que o mundo viu um sobrevivente de câncer no testítulo - posteriormente pulmão e cérebro - dar a volta por cima e se tornar uma lenda, a verdade veio à tona. O Super Homem não era real: seus superpoderes eram frutos de injeções e transfusões sanguíneas. Ele fez coisas boas (sua fundação seja o melhor exemplo), mas é uma vergonha para o esporte e merece pagar pelas trapaças que cometeu. Lance Armstrong sabe que errou, só que admitiu tarde demais.
 
          Será que essa foi a primeira pedra a cair num efeito dominó do mundo do ciclismo em seus flertes com o doping?

16 comentários:

Alax disse...

Uou!!! Calma aí gente, o tom dessa postagem é igual a um episódio bíblico, é igual aquele quando os populares iam apedrejar Maria Madalena, o Lance Armstrong pode ter errado ( e que erro em?), mas vale lembra que talvez o erro dele não tenha sido se dopar e fazer transfusões de sangue, já presenciamos atletas atuando com permissões de usar medicamentos até então proibidos, acho que o erro dele tenha sido este usar tais procedimentos sem permissão. Ele pode ter errado feio, mas por ter confessado seu erro (tardiamente) se mostrou pra mim ser um grande homem se dopar é fácil, assim como criticar e julgar, quero ver chegar uma emissora de TV e confessar que errou...

Evandro santos de melo disse...

Em primeiro lugar quero parabenizar o grupo pela postagem. Analisando o esporte de auto-rendimento percebemos que praticas como o doping é algo natural ( dentro de determinados ciclos), tanto que segundo relatos dos próprios adversários de Lance, era comum observar o mesmo usando seringa( evidencias do doping) antes das corridas. O ser humano busca sua superação em tudo que faz, e no esporte não é diferente, alguns fazem uso de substancias por se julgar incapaz de obter determinados objetivos dentro do que se propõe a fazer( caso de Lance), no entanto mais do que julgar devemos entender como se deu este processo, visto que o auto-rendimento é cruel e exige do atleta muito mais que seu máximo , ou seja, o psicológico , o emocional dentre outros aspectos destas pessoas estão sempre além do que o "corpo" pode suportar, então vejamos esta confissão como algo que no futuro venha a servir como base de debates para jovens atletas que ao adentrar neste meio tenha todo um suporte para que não tenham o mesmo fim do Lance. NO MAIS PARABENIZO O GRUPO E OS COMENTÁRIOS E DEBATES PROPOSTOS !

Giovani Pires disse...

Bom dia,

Parabens aos autores da postagem, pela reflexão, e ao professor Cristiano, pela iniciativa de propor aos alunos da disciplina socializarem suas reflexões por aqui, o que termina por nos incluir em suas aulas!

Sobre a questão do Lance, rapido e rasteiro: não tem ninguém "mocinho" nessa história toda! Nem a Ophra, que ganhou uma bela audiência com a entrevista (por sinal, pautada, intencionalmente, pela midia, semanas antes de ser apresentada!)
O que estamos vendo, como já aconteceu com o Ben Johnson, são as instituições internacionais de esporte (no caso, COI, Federação de Ciclismo, etc.)escolhendo um "medalhão", que se dopa como TODOS os demais do alto nível, para servir de exemplo, pra tentar tirar de cima de si a culpa pelo nível de exigência que impinge aos atletas!
Falso moralismo, já denunciado por Jennings e Andrews, em Senhores do Aneis (1992 - não por acaso, nunca mais reeditado no Brasil, porque João Havelange, denunciado no livro, comprou os direitos de tradução!).
O resto, é só motivo para a mídia ganhar audiencia.
E a academia precisa mesmo tematizar isso, para irmos além da superficie, da aparência.
Parabéns, gurizada!


Elder Correia disse...

Primeiramente parabéns ao grupo pela temática escolhida, vista a profundidade da discussão que a mesma exige, é um tema caríssimo ao esporte e que deve ser debatido. O "lance" de doping no esporte principalmente de alto rendimento é um "lance" extremamente normal. Não têm como manter o corpo em sua máxima performance sem uso de substâncias consideradas ilegais. Acho que ninguém têm dúvida disso né?! Mas vejamos, alguns processos são considerados doping, e outros porém; porém há situações em que os processos são diferentes, porém o resultado é o mesmo: a câmara hiperbárica por exemplo, nela é simulada uma situação em que o atleta fica como se estivesse em grande altitude, daí o corpo produze mais glóbulos vermelhos, o que resulta em mais oxigenação - tal processo é considerado legal (leia-se natural. Porém há uma outra forma de aumentar tais glóbulos vermelhos, que seria o uso de uma substância chamada de EPO (Hormônio eritropoietina - esse processo é considerado doping (leia-se artificial). Ai é que vêm a questão, é doping a mudança fisiológica que ocorre através de tais processos, ou é doping o processo? Porque um é considerado doping, e o outro não, afinal o resultado é o mesmo - aumento de glóbulos vermelhos = aumento de oxigenação = aumento de rendimento - e ai? Ai eu vou e entro em uma outra questão - "a produção farmacológica de si" - tomamos remedios para diversas situações do nosso dia-a-dia: para dormir, para acordar, para nos manter mais acordados, para dar mais energia, para passar uma dorzinha de cabeça, uma dor no pé, para pressão... Onde eu quero chegar? Ora, o uso de substâncias que mudam quadro fisiológico e aumenta a performance (seja para manter a homeostase, manter funções e transpor funções do corpo) no esporte, acontece também no cerne de nosso dia-a-dia, em diversas situações, ou seja, é um reflexo em via de mão dupla. Acho que essa questão do que é doping, deve ser mais debatida e revista. O que a confissão do Lance v~em trazer a tona é desmascarar esse idílio fantasioso que se têm no senso comum de que o esporte é puro, que não têm droga, violência, que é tudo limpo e certinho. Enfim, tal problemática ainda dá muito pano pra manga, muita discussão. O que não podemos negar é que esse tal de Lance foi corajoso e deu a cara a bater.

Tammy Rocha disse...

Pois é, através desse texto podemos refletir e trazer a tona mais uma discussão no campo da mídia e do esporte, que nesse caso, se dá sobre o doping de atletas. Então, quando sempre vejo falando sobre esse assunto, fico pensando, até que ponto estes atletas são capaz de chegar? O que será que leva um atleta de alto nível usar esse tipo de recurso? Sabendo ele, que é ilegal, como também poderá acabar/ acarretar com sua carreira ou vida como atleta profissional, seja por descoberta do uso de produtos não aceitáveis, como também podem afetar sua saúde, ou até mesmo, como no caso do exemplificado, perder o seu prestígio e idolatria que fora consagrado. Será que vale a pena, esses atletas utilizarem o uso de substâncias ilícitas para conseguir alcançar uma vitória, um recorde, uma marca ou até mesmo para mostrar que “é o melhor” no que faz? Um sucesso de fantasia, pois isso tudo, não passou de uma grande mentira, de uma grande ilusão. Preferindo este, se iludir com substancias ilícitas, em vez de procurar vencer por seu próprio esforço, capacidade, aceitando seus limites, buscando a vitória a qualquer custo e o mais rápido possível. Pois é, mas é como todos falam, ninguém gosta de perder, só a vitória importa. Sim, em relação ao anuncio de Lance Armsgtrong, ao meu ver, foi o mínimo que este poderia ter feito, certo que muitos não tem coragem de chegar em público e anunciar que suas conquistas emblemáticas e recordes fantásticos, não passaram de grande uma farsa. Então, o que Lance fez, foi nada mais, que sua obrigação, contar a verdade para seus fãs, para as pessoas que errou, como todo ser humano, mas errar sete vezes, foi demais não acha? ....

João Filipe disse...

É pessoal estou vendo que os debates sobres assuntos diversos estão redendo aki no blog o q ao meu ver é muito produtivo... parabenizo ao grupo por mais esse postagem e aos demais a ajudar a qualificar tais postagens com seus comentários... sim e chegando a tal discussão o doping...
a respeito do texto penso q podemos ter vários olhares através desse único tema, tem o olhar midiático q busca através de tal assunto gerar mais ibope, tem o olhar dos q de certa forma se deixam "influenciar" pela mídia, tem o olhar q busca entender pq o uso do doping pode ser visto como algo irregular, em fim vários olhares q de certa forma se separam e também se aproximam em algum ponto...

sobre essa questão do doping nos "ídolos esportistas" ñ vejo como o fim do mundo como alguns veem, muito menos como algo digno de vergonha seja no meio esportivo ou social, pq como ja foi dito mais acima no dia-a-dia todos nós de certa forma nos "dopamos" para atingir um estado "melhorado" de nossas capacidades físicas,pq no esporte de rendimento isso ñ seria honesto? será q estamos ainda em épocas de transformar tais atletas em super-heróis das quadrinhos estorias em quadrinho? será q ainda vamos viver nos enganando q eles são mesmo pessoas com super-poderes?

Infelizmente a mídia transforma tais ações em métodos dignos de repudia por parte da sociedade q ñ são informadas q na maioria dos atletas, pra ñ generalizar e falar na sua totalidade, usufruem de meios para melhorar suas capacidades físicas e consequentemente psicológicas... vejo q a sociedade é "ordenada" a ver certos assuntos de maneira utópica e acabam colocando em cima dos atletas uma responsabilidade q não é deles... termino enfatizando q o "mundo perfeito" ñ é o mesmo q o mundo real e q o CORPO humano tem suas limitações q podem de certa forma ser trabalhada mas sempre ele atingira sua limitação e só com o uso de alguns meios "lícitos" ou "ilícitos" é q ele pode atingir certas performances exigida no meio esportivo.

Vinícius Santos disse...

Primeiramente gostaria de parabenizar o grupo pelo texto e pelo assunto abordado. Sobre o tema abordado, o doping no esporte é um assunto que cabe uma boa discussão, mas nessa mesma discussão deve-se ter um enorme cuidado. Sei o assunto principal é o doping, mas antes me permito apontar algumas questões relacionadas ao esporte, esse mesmo esporte que possui em sua prática uma visão de lazer, de se adquirir saúde, entre outros valores sociais. Mas ai cabe nós perguntar se todos esses fatores estão presentes no esporte de alto rendimento?! O esporte de auto rendimento realmente é um meio de se adquirir saúde?! Seria esse alto rendimento uma prática positiva para os seus praticantes?! A partir desses questionamentos e das respostas que tenho aos mesmos, acredito que fica bastante difícil falar do doping, pois como Elder mesmo disse em seu comentário (diga se de passagem comentário onde ele foi bem feliz) o que de fato se classifica como doping, os métodos utilizados para se adquirir uma superioridade sobre o outro atleta, o resultado que ele venha a obter com esse método, visto que substâncias que são licitas em algumas modalidades, mas em outras são totalmente ilícitas. Outra questão que não pode ser deixada de lado é questionar se esses dopins que ocorrem no esporte são apenas culpa dos atletas, ou as confederações tem suas parcelas de culpa, exigindo dos atletas muito além do que seu corpo agüenta, e antes que muitos argumentem que se dopa quem quer, tome um cuidado pra não acabar caindo naquilo que os meus de comunicação te passam, pois Armstrong foi apenas um atleta que foi descoberto e que foi lá e assumiu a sua ação. Mas e quantos outros atletas também se dopam por ai a fora?! Ou ainda pior, qual atleta de alto rendimento que de alguma maneira não faz uso do doping? (deixando bem claro aqui que não sou a favor do doping, mas acredito que se deve ter um cuidado enorme ao julgar o doping no esporte de alto rendimento)...Do mais quero parabenizar os comentários ricos, o debate e o texto.

Blog CicloPoiesis disse...

Lance "boi de piranha" Armstrong. Não existe esporte de alto rendimento sem doping! Para mídia não interessa se o personagem é um herói ou um vilão, o que eles querem é audiência $. Não há erros nem acertos nessa comédia com pretensões dramáticas. Há apenas interesses. A história que eu gostaria de saber é o que Lance Armstrong fez aos poderosos que fazem de refém os "melhores" ciclistas do mundo, presos pela própria urina?

Dimas disse...

Gostei do texto, porém gostaria de fazer uma ressalva.Acho que o Lance não tem mais nada a pagar.Não adianta ele er preso, pagar multa ou ser banido do esporte.Tudo que ele empre buscou, foi fama, reconhecimento,aplausos-que é o que o esporte-espetáculo busca.Uma vez que ele já perdeu isso, já pagou o preço, tendo em vista que ele já é odiado por aqueles que outrora, eram seus fãs!
Discordo da opinião do Alax, no primeiro comentário.Não o considero um grande homem por ter confessado.Ele só fez isso depois que a "vaca já tinha ido pro brejo".Duvido que ele confessaria se ninguem nunca falasse nada.

Beatrice Wanders disse...

Se for falar em doping, entramos no viés do esporte de alto rendimento. Neste caso, os atletas são tratados como máquinas equipamentos, que devem atingir o seu potencial máximo a cada dia que passa. É trazer títulos, medalhas, vitórias, prestigio.. enfim, consegui aumentar o seu ego e seu prestigio diante dos demais competidores. Devemos lembrar que maquinas são diferentes de corpo humano, e diante das tantas horas de treinos pesados, o corpo “um dia” vai cansar né. E é ai que entra o doping nos atletas, pois para não perderem o prestigio conquistado eles optam por se drogar e continuar conquistando seus títulos. Quero deixar bem claro que não estou defendendo quem usa substancias ilícitas. Mas que se pensamos no viés da comparação corpo- máquina, o que vai acarretar um dia, maioria doa casos, é o uso do doping. Voltando para a História/ Confissão de Lance, penso que serviria para que todos parassem e pensasse sobre o que está acontecendo com o Esporte. Será que não era melhor investir mais na Educação???? Ai voltou para a postagem anterior, que fala sobre A escola como mediador do esporte, onde escolas buscam por atletas que vão dar títulos a mesma. Nisso oferecem bolsas de estudos e tudo mais... Mas infelizmente é pensando apenas na conquista de aquele “atleta de alto rendimento” pode trazer. E por que não unir o esporte com a Educação??? Possibilitar uma educação de qualidade e conscientizar os esportistas sobre as causas e conseqüências dos mais variados temas. É importante mostrar que há uma vida antes, durante e após sua vida profissional. Do mais quero parabenizar o grupo pelo texto, e aos amigos pelos comentários e os debates feitos!

Jéssica Del' Neves Santos Gomes disse...

Partindo do principio, como foi postado anteriormente por alguns colegas, que o doping em esportes de alto rendimento é normal, ele de fato é comum, mas jamais normal. Paremos para analisar qual seria a essência do esporte? No esporte buscamos superar limites e é justamente isso que nos fazem verdadeiros campeões. Sendo assim, o uso de drogas aumenta o rendimento do atleta e em alguns casos diminui a dor, descaracterizando a essência do esporte dita anteriormente. Não faz sentido o uso de drogas em competições esportivas, seja ela qual for. No caso do ex-ciclista Lance Armstrong ninguém sabe ao certo o que o levou ao doping: Fama? Dinheiro? Ambição? Sucesso?
A confirmação do doping de Armstrong mostra que super-homens não existem, pois o próprio ex-atleta afirmou no programa de televisão norte americana que é humanamente impossível um atleta conquistar sete vezes a volta da França sem o consumo de nenhum tipo de droga. A questão é: até que ponto vai a capacidade do ser o humano para alcançar os seus objetivos? No caso de Armstrong ele arriscou a sua saúde a troco de vitórias, desrespeitando também os outros competidores.
Que esse caso sirva de exemplo para que os futuros atletas respeitem seus competidores, seus técnicos, os organizadores e o público em geral.

Suely Moura disse...

Primeiramente gostaria de parabenizar ao grupo pela postagem e a temática escolhida. Vejo que no esporte de alto rendimento onde requer do atleta um preparo físico intenso para se desenvolver e superar os limites do próprio corpo, recai uma forte pressão e exigência sobre o atleta. As transformações que ocorrerá no corpo através da rotina de treinos específicos e variados será bastante elevado para desenvolver o corpo do atleta em sua máxima performance, este por sua vez, terá que recorrer há substâncias ilícitas (chamadas de doping) para suportar toda essa pressão, pois o corpo-atleta é considerado uma máquina que deve ser desenvolvida a cada dia em seu potencial máximo. Isso tudo com o intuito de ganhar medalhas, sucesso, fama, se tornar um ídolo naquela modalidade. Agora será que esse esforço todo vale realmente a pena? Será que esses atletas fazem de tudo só para se tornar um ícone do seu esporte, virando uma lenda na história da modalidade esportiva?
Assim, pegando como exemplo, Lance Armstrong, o qual ganhou sete vezes o Tour de France. Nesse caso, se insere a reflexão como pode um atleta ganhar sete vezes no mesmo torneio? Já que os atletas mesmo falam que é fácil ganhar, porém se manter na liderança é o difícil. Diante disso, Armstrong poderia se manter sete vezes sem está se dopando? Até que ponto o ser humano pode ser capaz de fazer para ter o sucesso e se manter nele? Esse atleta foi idolatrado virando quase uma lenda (até a verdade vim à tona) da sua modalidade, mas o que adianta ganhar, ter sucesso, fama, por meio da trapaça, sem jogar limpo e desrespeitando regras, o adversário, o esporte e principalmente se iludindo com uma realidade que não foi merecida pelos seus méritos?
Entretanto, foi descoberto que esse ex-atleta se dopou as sete vezes que competiu, além dele próprio assumir em um programa de maior audiência dos Estados Unidos. Muitas pessoas o julgam por ter assumido tarde demais, porém antes tarde do que nunca, foi certo da parte dele confessar o que fazia para ganhar, assim sofrendo as consequências do que tanto lutou para conquistar, ou seja, foi retirado todos os seus títulos, além de ser banido de todas as competições. Nesse sentido é importante refletir, será que valeu a pena fazer de tudo para chegar à fama, arriscar sua vida para ao final perder tudo?

Victor Rolemberg França disse...

Bem bacana que o texto resultou em diversas opiniões sobre um assunto tão polêmico. Claro que tenho que defender a opinião que defendi no texto.

Para mim, o fato de Lance Armstrong ter ido ao programa de Oprah Winfrey para confessar aquilo que muitos já desconfiavam, foi apenas uma tentativa de diminuir as inúmeras críticas e sanções que ele iria sofrer no futuro do público e de patrocinadores. Muitas pessoas citam que no ciclismo,a grande maioria dos atletas recorrem ao doping para melhorar seu desempenho. Esse fato não torna legal o uso de substância proibidas, só é uma forma de "brecha moral" utilizada pelos praticantes desse costume ilegal.

Para finalizar, gostaria de dizer que Tammy Rocha foi muito feliz em seu comentário. Pois tudo que Armstrong conseguiu foi um sucesso de mentira, forjado. Após tudo isso, não acho que uma pessoa que cometeu o mesmo erro 7 vezes mereça algum crédito no âmbito esportivo. Pois no âmbito social, ele criou algo extraordinário que é a Livestrong Foundation.

Jéssica Borges disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jéssica Borges disse...

Leitura do presente texto podemos perceber o quanto o sucesso muitas vezes se sobrepõem ao caráter dos indivíduos. No caso é visualmente notório o que o ciclista Amstrong fez para poder ter êxito em suas provas e chamar a atenção dos refletores e das câmeras para si. O dopping o ajudou a ganhar as provas, mas também ajudou a acabar com a própria carreira. Será que o sucesso é mais importante do que a própria força de vontade de ganhar as provas e ter êxito com o próprio esforço?
Creio o quanto pode ter sido frustrante para ele admitir ao seu público da fundação que ele foi um sobrevivente do câncer, mas não tão forte para ganhar suas provas de ciclismo sem uma “forcinha” de drogas. Essa forma dele se apresentar para todos da Fundação pode ter sido a única forma de lhes poupar de um desgosto anteriormente feito por ele mesmo. Havendo assim dois lado de uma moeda, acredito assim que sua atitude de pura mentira tenha sido mesmo para poupá-los de um desgosto e continuarem acreditando em uma superação da doença. Tomara que tenha sido isso! Caso contrário ele foi um covarde em admitir uma mentira que todos já tinham conhecimento.

Pablo Rocha Nog. disse...

Primeiramente parabenizar os integrantes do grupo pela postagem e pela escolha do tema.
Observando o tema abordado e o gesto de se confessar do Lance, tardio mas nobre, vemos o quão forte é a pressão em cima dos atletas de auto-rendimento para a buscar resultados acima do 100% da sua capacidade e a partir de toda essa pressão o atleta busca meios que o ajudem ,independentes de serem legais ou não, a alcançar o máximo do máximo que possa ser sugado do seu corpo. Não devemos nos assombrar com o doping, infelizmente nem todos os atletas das diversas modalidades esportivas tem o pensamento de extrair o máximo se mesmo através apenas de esforço e trabalho duro, pois buscar pela performance perfeita e o grande desgaste físico juntamente com os longos períodos de competição afetam não apenas fisicamente mas também psicologicamente o atleta o levando a usar tais substancias. Por fim não são todos que terão a coragem de sacrificar um grande nome para falar sobre algo tão frágil, sabemos que vou demorado porem deve ser parabenizada a coragem do Lance.