quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Rumo a 1 milhão: uma nação chamada Flamengo

Colegas do blog!
Abaixo, mais uma postagem dos alunos/as que cursam a disciplina "EF, esporte e mídia", Lorrany, Crislene e Ítalo, aqui na UFS, neste semestre. Propositalmente, a postagem é feita antes do jogo final...
Boa leitura e aguardamos os comentários e o debate!



Rumo a 1 milhão: uma nação chamada Flamengo
O que você faria com 800,00 reais? Viajaria? Pagaria suas dívidas? Ou faria um investimento? Para muitos a resposta seria uma só... Ir ao Maracanã ver o Mengão ser campeão da Copa do Brasil 2013!
É a partir dessa ideia que a diretoria de marketing do Flamengo encontrou uma saída para incentivar o programa de sócios torcedores do clube. Sabendo da repercussão que o valor do ingresso causaria nas mídias e entre os torcedores, a diretoria aumentou significativamente o valor dos ingressos para os não associados, com o intuito de estimular a associação dos torcedores flamenguistas, tendo em vista que os sócios ganham descontos vantajosos nas compras de ingressos. Não é à toa que o número de sócios aumentou ao longo dos últimos seis meses.
Mas o que a diretoria não esperava era um intervenção do PROCON, que iniciou um processo de investigação contra o Flamengo com a justificativa de que os preços estabelecidos para a final da Copa do Brasil possuem valores abusivos. Para se ter uma ideia, o PROCON exemplifica que o ingresso mais caro para a semifinal da mesma edição da competição custava 280,00 reais enquanto o ingresso mais barato para a final está custando 250 reais. Porém, o que a diretoria do Flamengo vem afirmar é que tal aumento no valor dos ingressos é um reflexo da importância do jogo, afinal de contas, trata-se da FINAL DA COPA DO BRASIL e da necessidade de captação de recursos para serem investidos no clube, visto que muitos espectadores têm direito à meia entrada, além dos sócios torcedores que já possuem descontos nos ingressos. Tal afirmação demonstra as facetas realizadas pelo marketing esportivo a fim de manter cada vez mais o seu clube em destaque, garantir o desenvolvimento financeiro e publicitário da equipe, além de cada vez mais afirmar a ideia de mercadorização e espetacularização do esporte.
Dentro da lógica do capital a qual estamos inseridos diariamente, notamos que o esporte não deixa de ser afetado pelo fenômeno capitalista de mercadorização das “coisas”. O futebol, durante o processo de desenvolvimento econômico mundial, tornou-se uma forte ferramenta de apropriação de recursos, de capital de giro para as empresas que os patrocinam. A exemplo disso, não é por acaso que notamos o crescente número de patrocinadores a fim de ter seus nomes estampados na camisa de uma das maiores torcidas (se não a maior!) do futebol brasileiro que é o Flamengo. O mesmo acontece com os patrocinadores que desejam ter a sua presença garantida, no comercial entre cada tempo de jogo, na telinha da “plim-plim”. Por isso é necessário estarmos atentos a todas as estratégias de marketing que circulam o nosso tão amado futebol, para não caírmos nas armadilhas que a nossa dita “paixão nacional” possa nos criar.
Os torcedores são muitos, e a ambição do clube é maior ainda, e é aproveitando-se de tudo isso que o marketing do mesmo se utiliza da linguagem apelativa para responsabilizar a “nação rubro negra” pela performance da equipe com o seguinte slogan em sua página na internet “Essa é sua chance de ajudar a construir o Flamengo que sempre sonhamos. Compre um plano e ajude o mais querido a contratar os melhores atletas, ajustar suas contas, ganhar títulos e ser do tamanho que você sempre quis”. Mas seriamos nós os responsáveis pelo sucesso ou fracasso do nosso time, ao ajudarmos o clube através da assinatura de um pacote de associado, seja de qual time for, Flamengo, Botafogo, Sergipe, Corinthians, Confiança, não importa qual for o time que torcemos? Ou seriam os próprios clubes que não tornam possível ($) a participação efetiva dos torcedores?

5 comentários:

Maria Beatriz Campos disse...

Muito interessante o tema do texto, até porque só em novembro o Flamengo ganhou 19 mil novos sócios-torcedores, e o crescimento foi justificado pela proximidade da Copa do Brasil.

Maria Beatriz Campos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Terezinha disse...

Não tenho dúvida que o Futebol é uma máquina de fazer dinheiro, e depois desse texto, fiquei mais convicta ainda. Parabéns acadêmicos, ficou ótimo!!!

Prof Paula disse...

É uma lógica que não se reverte, infelizmente. Mas com este exercício para compreendê-la percebemos que o caminho que busca "des-vendar" os olhos dos futuros professores os fará dar continuidade à ideia de esclarecimento na sociedade. Parabéns Lorrany, Ítalo e Crislene.

Ítalo Libório disse...

Muito obrigado a todos! :D