segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Qual é o papel da Mídia quanto a violência no futebol brasileiro?




 Pessoal, fiz um breve texto com relação a Mídia e a violência no futebol brasileiro, e ao final deixei algumas indagações  para possiveis discussões.


          A violência no futebol é um tema decorrente nos meios de comunicação do Brasil. Diversos fatos como assassinatos, vandalismo e até mesmo agressões de jogadores por torcedores foram marcados na imprensa de forma geral.

          Muitas vezes esses fatos se tornam simples noticias que são utilizadas na busca por audiência nos grandes meios de comunicação. Em outros momentos podemos observar uma valorização de quem age de forma violenta, podendo assim se tornar em um incentivo para a repetição de atos violentos em outras oportunidades.

          Isso se deve a forma com que são tratadas essas noticias. O sociólogo Maurício Murad afirma na sua obra intitulada "Para entender a violência no futebol", publicada neste ano, que o imediatismo da noticia precisa evitar a irresponsabilidade. O autor ainda afirma que em alguns momentos a mídia dá destaque aos violentos.

          Tendo em vista alguns desses aspectos acima citados, compartilho com todos algumas indagações feitas por mim para tentar entender mais sobre o tema:

A imprensa no geral em alguns momentos utiliza de alguns fatos violentos não só no futebol para gerar lucros?

Existe alguma influencia midiática nesses atos violentos gerados por torcedores de “torcidas organizadas”?

Podemos pensar em soluções para os problemas relacionados à violência futebolística?

3 comentários:

Moacir Prado disse...

Boa observação Vinicius....
Suas indagações realmente nos levam a uma boa reflexão.

A violência no futebol é um tema "delicado", pois são vários fatores envolvidos. A respeito da mídia e ao trato q a violência recebe nos programas esportivos realmente deixam a desejar. Primeiramente porque alguns programas não transmitem ou passam a violência como notícias, por recomendações de seus diretores, como uma forma de evitar que os atos demonstrados não sejam repetidos nos estádios. Portanto desta forma acabam deixando de ajudar na identificação dos infratores.
A solução para estes problemas podem ser pensadas sim, desde que pessoas sérias debatam este assunto de forma correta e não fiquem no blá-blá-blá que estamos acostumados na TV de forma geral, porém acho isto muito difícil, devido a qualidade dos programas que vemos hoje em dia, com programas voltados mais para o entretenimento do que para a informação séria.

Parabéns e bem vindo ao blog.

Silvan Menezes disse...

Boa Vinícius, parabéns pela iniciativa!
O que está em conflito na verdade é o que o Moacir escreveu no final do comentário dele. A informação sendo deixada de lado em detrimento do entretenimento. As grandes emissoras de tevê do Brasil são detentoras dos direitos de transmissão dos grandes campeonatos, você acha que eles querem "manchar" a marca de um importante produto deles para simplesmente mostrar a população atos de violência?
Vale pensar nos desdobramentos deste problema.
Abraço,
Mais uma vez parabéns.

Cristiano Mezzaroba disse...

Vinícius, seja bem vindo ao blog...
Moacir, Bam... é verdade, compartilho da opinião de vcs. Porém, vou um pouco mais longe... quem me conhece já vai pensar: lá vem o chato com a Sociologia! hehehe... Na verdade, quando vemos isso na esfera esportiva - e midiática - esquecemos de duas coisas. A primeira delas, e ao meu ver, principal: a violência no esporte como um todo é apenas reflexo da violência que vemos/temos na sociedade (nem preciso me alongar aqui com o massacre, o útlimo, entre tantos, na escola norte- americana). Não por acaso, também, o esporte que mais cresce no mundo, mercadologicamente e telespetacularmente falando, é o MMA... ou seja, luta (quase) livre em que o sangue que jorra na tela nos alimenta!

Segundo, não esqueçamos: a mídia apenas "cobre" tais notícias, a violência é noticiabilidade para os veículos midiáticos (obviamente, aqui, não me furto de citar - apavoradamente - o acontecido com o Datena, ao negociar a libertação de um sequestrado em SP, ao vivo!). Ao cobrir, não há neutralidade, não há imparcialidade. Há sim, objetivos, interesses. E aí, sabemos, cada emissora, cada grupo tem os seus.
Apenas para exemplificar: o útlimo Grenal do Estádio Olímpico, acontecido recentemente. Acompanhando as notícias pela internet, já que estou em Aracaju e não via a RBS do RS, vi os veículos de lá construírem narrativamente todo confronto e tudo que se viu depois em campo. Lembram daquela entrevista um domingo antes, com o D'Alessandro saindo de campo, quando o repórter perguntou pra ele: "E o Inter, vai ser goleado no próximo Grenal?"... deu no que deu! na hora que a coisa vira sangue, todo mundo tira o corpo fora!!!

Seguimos!