quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Recado da Globo para o Futebol Brasileiro

Olá amigos, venho trazer uma notícia que não repercutiu muito na mídia, nem nos balcões de falação esportiva. Me refiro aos recados dado pelo diretor da Rede Globo à CBF e demais clubes durante o "Pêmio Craque Brasileirão", exibido pelo SporTV, canal fechado da Globosat, na noite de 03/12, segunda-feira passada.
De acordo com o site Yahoo! Esportes a festividade "foi um verdadeiro palanque para cartolas e políticos. Eles apareceram até mais do que os personagens do campo no evento realizado em São Paulo". (clique aqui e veja a reportagem na íntegra)
 A composição do palco da festa já dava sinais dos fins aos quais tal premiação serviria naquela noite, a presença de políticos, como o ex-ministro do Esporte e atual governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, bem como do governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin  já sinalizava com diferentes enquadramentos, zoons e closes, que, de fato, algo mais estaria acontecendo ali.
 Quem teve maior tempo de fala foi nada menos que o Sr. Marcelo Campos Pinto, diretor da Globo Esporte.  Segundo o Yahoo Esportes: "Em longo discurso, num tom bem crítico e quase que no papel de quem dita as regras no futebol brasileiro, ele alegou que a Globo com o canal aberto e os nanais por assinatura gastará mais de R$ 1,5 bilhões em 2013 com eventos esportivos e os clubes locais precisam se organizar." Na sequência, uma parte transcrita da fala, que reproduzirei abaixo:

"Peço licença para fazer uma breve reflexão sobre o momento do futebol brasileiro. Precisamos aproveitar essa oportunidade [proximidade da Copa] para juntos, CBF, federações, clubes, parceiros televisivos e investidores comerciais que patrocinam as camisas dos clubes e que compram outros produtos fazermos com que a organização do espetáculo no campo nada deixe a desejar às ligas europeias, dentre as quais a Premier League Inglesa, que constitui o melhor exemplo. [...] na semana passada, participei de um painel de debates na Soccerex (feira de futebol, realizada no Rio de Janeiro) em que se discutiu o futuro do futebol nas diversas plataformas de distribuição dos sons e imagens dos jogos e um dos palestrantes me perguntou por que o futebol brasileiro não é tão organizado e planejado quanto o europeu, ressaltando que nossos gramados não têm qualidade uniforme e que o campo é 'poluído' pela presença de dezenas de pessoas que não integram o quadro das equipes, os árbitros e as emissoras detentoras dos direitos de cobertura do evento [Globo/Globosat].  Na Europa, apenas essas pessoas adentram ao gramado". [grifo meu].

"Temos todos uma missão a cumprir. Precisamos ter melhores gramados, é imperioso que organizemos o credenciamento da imprensa esportiva de forma que sua locação nos gramados seja feita de forma clara e transparente, permitindo assim que todos possam cumprir o seu papel. Os detentores dos direitos de cobertura das competições e demais membros da imprensa esportiva precisam, cada um no seu devido tempo e de forma organizada, poder trabalhar adequadamente para cumprir não só a missão de informar, mas também as suas obrigações comerciais".

"No nosso caso, a Rede Globo de Televisão e a Globosat, que no ano de 2013 vão investir mais de 1,5 bilhão de reais em compra de direitos de transmissão das principais competições que contem com a participação de clubes brasileiros, se sente no dever de promover em suas transmissões as marcas dos clubes, seus patrocinadores e os campeonatos que transmitimos" [...]. "Temos todos nós um compromisso com a torcida brasileira".

E, assim, foi dado o recado. A GLOBO paga e quer exclusividade (ou será, eliminar a concorrência?), quer transparência (mas foi ela mesmo quem, articulada de maneira ilícita com a CBF, muitas vezes retirava a transparência para ser SEMPRE a eleita dona dos direitos televisivos), quer decidir os horários dos jogos, de modo a garantir seus nichos de audiência e, mais, quer ser a dona da conduta dos atletas em campo, de modo a garantir vi$ibilidade às marcas patrocinadoras. Estranha forma de pensar na torcida brasileira! (ou será na audiência?)


4 comentários:

Giovani Pires disse...

Pois é, Diego, mais uma desse personagem que, com o peso da Globo, virou o verdadeiro dono do futebol brasileiro na TV aberta.
E esses comentários confirmam matéria que havia divulgado, na nossa lista, em que esse cidadão, falando em nome da Globo e da Globosat, exigia (e exige) que os clubes "pagos pela televisão" abram mais espaços para os veículos Globo.
Vou ver se acho esse comentário e ponho o link aqui.

Giovani Pires disse...

Tá aqui o link:
http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2012/11/28/insatisfeita-com-tratamento-recebido-globo-quer-mais-privilegios-em-treinos-e-jogos-em-2013.htm

Silvan Menezes disse...

Diegão e Gio, não sei onde vamos chegar. Será se isso tem limite? Existe algum ponto que a espetacularização não tem mais como influenciar direta ou indiretamente no esporte, no nosso caso no futebol?
Talvez cheguemos ao absurdo dos árbitros terem no seu ponto de comunicação contato direto com o Arnaldo César Coelho para saber se estava impedido ou não, se foi gol ou não. Fico tentando imaginar o que mais pode piorar nessa situação.
Chega a dar náuseas!!

Cristiano Mezzaroba disse...

É, meus caros! cheguei um pouco atrasado, mas um dia depois da conquista do título mundial do Corinthians. O que me preocupa, além de tudo isso, é essa reciprocidade toda. Salve-se quem puder! Globo e Corinthias, agora, tudo a ver!!! ehhehe (aos meus amigos corintianos, não é nada contra o Corinthians, pelo contrário... é pelo tratamento que a Globo dá ao Corinthias!).