segunda-feira, 5 de abril de 2010

"Artigo de Veríssimo sobre o BBB 10"

Galerinha, nesta semana recebi um e-mail que eu achei super interessante que Luís Fernando Veríssimo critica o programa Big Brother Brasil que acabou na semana passada e resolvi postar para vocês lerem. aí vai.
"Que me perdoem os ávidos telespectadores do Big Brother Brasil (BBB), produzido e organizado pela nossa distinta Rede Globo, mas conseguimos chegar ao fundo do poço. A décima (está indo longe) edição do BBB é uma síntese do que há de pior na TV brasileira. Chega a ser difícil encontrar as palavras adequadas para qualificar tamanho atentado à nossa modesta inteligência. Dizem que Roma, um dos maiores impérios que o mundo conheceu, teve seu fim marcado pela depravação dos valores morais do seu povo, principalmente pela banalização do sexo. O BBB 10 é a pura e suprema banalização do sexo. Impossível assistir ver este programa ao lado dos filhos. Gays, lésbicas, heteros... todos na mesma casa, a casa dos “heróis”, como são chamados por Pedro Bial. Não tenho nada contra gays, acho que cada um faz da vida o que quer, mas sou contra safadeza ao vivo na TV, seja entre homossexuais ou heterosexuais. O BBB 10 é a realidade em busca do IBOPE. Veja como Pedro Bial tratou os participantes do BBB 10. Ele prometeu um“zoológico humano divertido” . Não sei se será divertido, mas parece bem variado na sua mistura de clichês e figuras típicas. Se entendi corretamente as apresentações, são 15 os “animais” do“zoológico”: o judeu tarado, o gay afeminado, a dentista gostosa, o negro com suingue, a nerd tímida, a gostosa com bundão, a “não sou piranha mas não sou santa”, o modelo Mr. Maringá, a lésbica convicta, a DJ intelectual, o carioca marrento, o maquiador drag-queen e a PM que gosta de apanhar (essa é para acabar!!!). Pergunto-me, por exemplo, como um jornalista, documentarista e escritor como Pedro Bial que, faça-se justiça, cobriu a Queda do Muro de Berlim, se submete a ser apresentador de um programa desse nível. Em um e-mail que recebi há pouco tempo, Bial escreve maravilhosamente bem sobre a perda do humorista Bussunda referindo-se à pena de se morrer tão cedo. Eu gostaria de perguntar se ele não pensa que esse programa é a morte da cultura, de valores e princípios, da moral, da ética e da dignidade. Outro dia, durante o intervalo de uma programação da Globo, um outro repórter acéfalo do BBB disse que, para ganhar o prêmio de um milhão e meio de reais, um Big Brother tem um caminho árduo pela frente, chamando-os de heróis. Caminho árduo? Heróis? São esses nossos exemplos de heróis? Caminho árduo para mim é aquele percorrido por milhões de brasileiros, profissionais da saúde, professores da rede pública (aliás, todos os professores), carteiros, lixeiros e tantos outros trabalhadores incansáveis que, diariamente, passam horas exercendo suas funções com dedicação, competência e amor e quase sempre são mal remunerados. Heróis são milhares de brasileiros que sequer tem um prato de comida por dia e um colchão decente para dormir, e conseguem sobreviver a isso todo santo dia. Heróis são crianças e adultos que lutam contra doenças complicadíssimas porque não tiveram chance de ter uma vida mais saudável e digna. Heróis são inúmeras pessoas, entidades sociais e beneficentes, ONGs, voluntários, igrejas e hospitais que se dedicam ao cuidado de carentes,doentes e necessitados (vamos lembrar de nossa eterna heroína Zilda Arns). Heróis são aqueles que, apesar de ganharem um salário mínimo, pagam suas contas, restando apenas dezesseis reais para alimentação, como mostrado em outra reportagem apresentada meses atrás pela própria Rede Globo. O Big Brother Brasil não é um programa cultural, nem educativo, não acrescenta informações e conhecimentos intelectuais aos telespectadores, nem aos participantes, e não há qualquer outro estímulo como, por exemplo, o incentivo ao esporte, à música, à criatividade ou ao ensino de conceitos como valor, ética, trabalho e moral. São apenas pessoas que se prestam a comer, beber, tomar sol, fofocar, dormir e agir estupidamente para que, ao final do programa, o “escolhido” receba um milhão e meio de reais. E ai vem algum psicólogo de vanguarda e me diz que o BBB ajuda a "entender o comportamento humano". Ah, tenha dó!!! Veja o que está por de tra$$$$$$$$$ $$$$$$$ do BBB: José Neumani da Rádio Jovem Pan, fez um cálculo de que se vinte e nove milhões de pessoas ligarem a cada paredão, com o custo da ligação a trinta centavos, a Rede Globo e a Telefônica arrecadam oito milhões e setecentos mil reais. Eu vou repetir:oito milhões e setecentos mil reais a cada paredão. Já imaginaram quanto poderia ser feito com essa quantia se fosse dedicada a programas de inclusão social, moradia, alimentação, ensino e saúde de muitos brasileiros? (Poderia ser feito mais de 520 casas populares; ou comprar mais de 5.000 computadores ) Essas palavras não são de revolta ou protesto, mas de vergonha e indignação, por ver tamanha aberração ter milhões de telespectadores. Em vez de assistir ao BBB, que tal ler um livro, um poema de Mário Quintanaou de Neruda ou qualquer outra coisa..., ir ao cinema..., estudar... , ouvir boa música..., cuidar das flores e jardins... , telefonar para um amigo... ,visitar os avós... , pescar..., brincar com as crianças... , namorar... ou simplesmente dormir. Assistir ao BBB é ajudar a Globo a ganhar rios de dinheiro e destruir o que ainda resta dos valores sobre os quais foi construído nossa sociedade".
Luís Fernando Veríssimo
e aí o que vocês acham sobre o programa Big Brother Brasil 10 que foi exibido pela Rede Globo ?

13 comentários:

Carol Garcia disse...

Pois é Tamires...
Vitimas?? (Reféns) da falência cultural, a Bendita Burrice Brasileira acaba por entrar em um verdadeiro bem-estar, são dezenas de horas aprendendo a como ser falso, mentiroso, infiel, hipócrita, leviano, canalha, preconceituoso com todos os derivativos da falta de ética e imoralidade estando à exibição do telespectador.
Os milhares de contribuinte não devem ligar mesmo, devem ter condições financeiras de financiar R$ 8 milhões em uma única noite para se divertir (??!), ao invés de comprar um bom livro ou de investir em qualquer entretenimento relevante para melhorar a sua articulação, a sua autocrítica e a sua consciência… A Rede Globo sabe muito bem disso. São vários os motivos que faz pensar que a Bendita Burrice Brasileira (BBB) não pode parar.

regina disse...

Já somos verdadeiros reféns dessa falta de cultura, verdade que acabou o BBB mas continuamos com Faustão, Gugu, novelas e tantos outros programas que leva o telespectador a viver esse bem-estar, são dezenas de meios que mostra a imoralidade, com conteúdos fúteis e banais responsáveis pela "educação" das nossas crianças, dos nossos jovens e muitas vezes até a nossa quando nós deixamos levar de forma não esclarecida por esses milhares de programas financiados pela nossa audiência.

Silvan Menezes disse...

É isso aew meninas, em tempo de Cacau e Morango, as demandas brasileiras são expandidas pela Toda Poderosa, com supostas necessidades totalmente supérfulas.
Mas, atendo-me ao belo texto do Veríssimo, acredito que para os espectadores do BBB, porém antes de tudo observadores da mídia, perceber a verdadeira intencionalidade da emissora durante a formatação do programa e saber o que o grande Repórter e Documentarista Bial tem a falar, verdadeiramente sobre o programa são exatamente questões intrigantes assim como fala o Veríssimo em seu belíssimo texto.
Mais uma vez, Parabéns pela postagem Tamires.

Diego S. Mendes disse...

Parabéns, Tamires, que pela postagem!!! Se esse tema (lástima) está na boca dos brasileiros, por que não estar aqui também? Primordial os dados econômicos apresentados por Veríssimo, não é apenas nossa atenção que dedicamos à Globo, mas cifras enormes, enquanto nosso país necessita de tanto, especialmente no que se refere ao acesso à outros conteúdos culturais mais humanizadores. Não concordo com o argumento da imoralidade gay, mas apontaria que a homofobia foi banalizada nesse programa a partir dos empenhos de absolvição que o "herói" dourado vem sofrendo, finaciado pela Globo, claro. E o tal realismo, que os psicólogos comportamentais defendem. Me poupe! A realidade brasileira não se assemelha a uma população "marombeira" e plastificada corporalmente. Nem tampouco os participantes do BBB, agem naturalmente, estão o tempo todo sob estímulos de auto-agressão e de formação de grupos opositores, pensados pelos produtores do programa como forma de dar maior "dinâmica" (leia-se, conflito) ao jogo. Paciência, alías, a minha já se esgotou. Não perco mais meu tempo com essa aberração

guilherme disse...

Ótima Postagem tamires, o BBB é uma escolinha de mal caráter, pena a própria rede Globo não divulgar um pensamento como este, bem, se ela é dona da verdade, quem é veríssimo para dizer o contrário.

Anônimo disse...

Caros, esse texto não é do Verissimo. O Verissimo teria muito mais humor e inteligência para falar do BBB.

Trata-se de mais uma brincadeira feita pela internet. A despeito do ponto-de-vista defendido, o texto é muito ruim, com argumentos frágeis e simplórios.

Diego S. Mendes disse...

Opa, acho que vc tem razão, o texto não tem muito o estilo do Veríssimo mesmo. Será que esse Veríssimo é verídico? Não sei, faz parte da mídia os erros de informação (embora quase nunca vejamos as retificações). Pra mim o texto traz considerações relevantes sobre o "fenômeno" BBB, sendo de Verissimo ou não. O argumento econômico apresentado, e o tratamento mitificante ( e, ambiguamente estrúxulo) dado aos protagonista do programa não me parecem frágeis. Quais são esses argumentos frágeis e simplórios? A provocação é inquietante e também pertinente, vamos averiguar a autoria desse material e continuar nossas reflexões por aqui. Novamente, parabéns a Tamires por nos promover essa belíssima reflexão.

Diego S. Mendes disse...

A retificação já foi feita!

Anônimo disse...

Apesar de concordar com cada palavra do texto "A vergonha"(realmente o tal de BBB é lixo televisivo), o texto não é de Luiz Fernando Veríssimo. Ele próprio desmentiu a autoria do texto em crônica de 04/04/2010, publicada pelo jornal O Globo e Zero Hora. Ele desmente mas escreve de maneira genial e irônica o que sente pelo programa. http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2010/04/04/outro-voce-280562.asp

Estou passando essa informação porque apesar de concordar com o texto, ele é de autoria anônima e o próprio Veríssimo descreve a sensação de ter seu nome ligado a algo que não escreveu circulando pela internet.
Um abraço,
Simone

Diego S. Mendes disse...

Olá Simone,
já corrigimos a informação veja no blog a postagem "Retificação - 'A verdade' não é de Verissimo"

Angelica disse...

Sendo do Veríssimo ou não, concordo que seja um texto rico de informações....se fosse ele realmente poderia ter escrito melhor, mas ainda sim, a crítica do texto é muito boa.

Ricardo disse...

Já virou clichê, e infelizmente, torna-se clássico dizer que a maior parte de produções da emissora comentada no artigo são voltadas ao modo capitalista de produção, e de forma lógica, convêm transmitir uma produção com um caráter de senso comum e pocuo aprofundado no horário nobre. Independentemente, de quem seja a autoria do artigo - seja do escritor, seja do mecânico, do gari ou de um engenheiro - as informações sugeridas para transcender a valorização dos pressupostos enfatizados pelo programa são bastante relevantes se aprofundadas com tal intuito. A Matrix brasileira exite, não é ficção é uma realidade - o que não existe é a neutralidade da máquina. Muito bacana esse artigo!

Diego S. Mendes disse...

Pertinente observação Ricardo,

seja bem vindo por aqui!