sexta-feira, 4 de junho de 2010

Sobre a Copa/2014 e as Olimpíadas/2016 e a questão da sustentabilidade dos eventos esportivos

No link sugerido nesta postagem, o blogueiro e cientista político Leonardo Sakamoto faz uma breve análise sobre o falacioso discurso da sustentabilidade ligado à realização da Copa do Mundo de 2014 aqui no Brasil, bem como das Olimpíadas/2016 no Rio de Janeiro. Acredito que seja mais um esclarecimento em direção às críticas, bem como um alargamento de nossa compreensão àquele que é um discurso típico - senso comum e positivo - já dos grandes eventos esportivos: a preocupação com o verde, com o lixo, com os rios/lagos, a emissão de gases etc.

Transcrevo apenas duas passagens da postagem dele:
(...)
Muito se fala em ações para garantir que a Copa do Mundo e as Olimpíadas do Rio sejam eventos verdes, que respeitem o meio ambiente. Mas sustentabilidade não se resume à montagem de um sistema de coleta de lixo reciclável ou à compensação da emissão de carbono nas obras. Isso é mitigação e perfumaria comparado ao impacto direto causado pela degradação ambiental causada pela demanda de produtos florestais sem a devida verificação da legalidade de sua cadeia produtiva.
(...)
O ato da compra é um ato político poderoso. Através dele damos um voto de confiança para a forma pela qual determinada mercadoria é produzida. Um exercício democrático que não é exercido apenas a cada quatro anos, mas no nosso dia-a-dia. E que pode ditar o destino da maior floresta tropical do mundo e de sua gente. Ou seja, também cabe a cada um de nós, dentro e fora do país. Barbaridades não podem ser justificadas em nome das festas de 2014 e 2016.
http://blogdosakamoto.uol.com.br/2010/06/02/quanto-da-amazonia-ira-tombar-pela-copa/

É... não estamos sós no exercício da "observação", o que é ótimo saber!
Não deixem de conferir a postagem... vale a pena!
E fica a pergunta: Quanto da Amazônia irá tombar pela Copa?

3 comentários:

Angelica disse...

Cris, muito bom! Quanta coisa acontece ao nosso lado, ou mesmo distante, mas tão próximo, que não percebemos! A revelação do desmatamento da Amazônia em meio a grandes eventos é praticamente esquecida e omitida, diante da publicidade em mostrar a grandeza e riqueza de "tais eventos" como a Copa. Parabéns por nos proporcionar novas reflexões.

regina disse...

É verdade, diante dos nossos olhos e ao mesmo tempo distante dos olhos da mídia...ante até ouvíamos falar de alguns desgastes hoje parece que todos os problemas do Brasil acabaram, lembro-me agora da questão do pré sal tão falado pelos jornais, problema esse que afetaria tais eventos e agora alguém sabe me dizer o que ficou decidido do pro sal?
É preocupante a situação do Brasileiro quando dependemos de uma mídia que só visa valores de interesse político por isso gosto muito de ler esse e outros Blogs que me levaram a pensar de outra forma me tornando mais observadora. Valeu!!

Welington disse...

Na Àfrica do Sul, o Green Point, o estádio mais caro da Copa, foi construído no interior da reserva verde da Cidade do Cabo, uma das poucas existentes no país. Se quiserem ler mais sobre essa e outras situações do chamado "legado social", acessem o link Esporte em Rede – E leia a postagem da semana